Notícia

Zero Hora online

Estudo com tudo pago

Publicado em 07 junho 2009

Depois da formatura ... mais estudo. O caminho de volta às salas das universidades tem sido percorrido por muitos profissionais que, mesmo depois de conquistar o diploma na faculdade, continuam sua qualificação através da pós-graduação.

A senha para quem pretende entrar por essa porta tem cinco letras: bolsa. É através dos incentivos que muitos conseguem turbinar a carreira e pagar as contas. Foi o caso das estudantes brasileiras Thais Ludovice e Thais Colpaert, que fazem cursos de especialização na Espanha por meio de bolsas obtidas no Brasil. Elas contam as experiências no Blog das Thaises, hospedado no site do Portal Universia. Entre os relatos, dicas para conseguir uma bolsa no Exterior.

No Brasil, os maiores financiadores de bolsas de estudos são o Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Ministério da Ciência e Tecnologia, através do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) – responsáveis pela formação da maior parte dos mestres e doutores no país.

A qualificação em cursos de mestrado ou doutorado deixou de ser atrativa somente para quem busca uma carreira acadêmica. Profissionais que pretendem ingressar no mercado de trabalho também buscam na universidade a excelência esperada pelas empresas. Segundo a vice-presidente do CNPq, a ex-reitora da UFRGS Wrana Panizzi, o mercado é receptivo a profissionais com mestrado e doutorado, já que a necessidade de profissionais com alto nível de conhecimento específico na sua área de atuação.

O diretor administrativo e financeiro da Fapergs, Jôni Nunes Costa, afirma que o objetivo dos programas de bolsa é fomentar e manter a inteligência no Rio Grande do Sul “para atrair grandes empresas e empreendimentos que demandem um profissional de alto nível intelectual.”

As bolsas no Brasil

As instituições públicas são as grandes financiadoras dos pesquisadores no Brasil. O CNPq e a Capes liberam, por meio de convênios com universidades públicas e privadas, recursos para a formação de mestres, doutores e pós-doutores.

Para concorrer às bolsas é preciso ter ligação com as universidades, pelas quais os recursos são liberados. Os candidatos se submetem a provas de conhecimentos específicos, entrevistas e apresentação de um projeto de estudos. Os melhores projetos podem ser contemplados com a bolsa de estudos, que normalmente consiste em uma ajuda de custos para o estudante dedicar-se exclusivamente ao trabalho acadêmico de pesquisa.

Instituições ligadas aos Estados, como a Fapesp, em São Paulo, e a Fapergs, no Rio Grande do Sul, também concedem bolsas de estudos para pós-graduação. O critério para a seleção é basicamente o mesmo utilizado na Capes e no CNPq, com provas, entrevistas e apresentação de projetos. Os recursos são liberados através do convênio com universidades parceiras que mantenham linhas de pesquisa de interesse nos Estados.

Acessar os sites das universidades da sua região e também da Capes e do CNPqé a melhor maneira de manter-se informado sobre os processos de seleção abertos.

BOLSAS NO EXTERIOR

Japão

> O governo japonês mantém programas de estímulo à formação, treinamento e pesquisa para brasileiros em diversas instituições. Os mais relevantes são o Programa Monbukagakusho de bolsas para pesquisa e graduação e as bolsas e aperfeiçoamento profissional da JICA (Agência de Cooperação Internacional do Japão), organismo ligado ao Ministério de Negócios Estrangeiros do país.

www.universia.com.br

Canadá

> O objetivo dos programas de bolsas de estudos concedidas pelo governo e pelas instituições canadenses é o desenvolvimento da pesquisa de de temas que tenham relação com as questões do país. O principal é voltado para doutorandos fluentes em inglês ou francês, com projetos aprovados por alguma instituição de ensino vinculada ao MEC, no Brasil.

www.brasil.gc.ca

Europa, Ásia e Estados Unidos

> Estrangeiros podem se inscrever nos programas Endeavour Research Fellowships (de pesquisas de curta duração) e Endeavour International Postgraduate Research Scholarships (bolsas de pós-graduação). O programa oferece cursos em diversos países, como Austrália, Nova Zelândia e Alemanha. O auxílio financeiro dura de quatro a seis meses. É precido ter bom desempenho nas universidades brasileiras e certificação de fluência em inglês. O programa cobre passagem aérea, uma bolsa mensal e seguro saúde.

www.endeavour.deewr.gov.au

Europa

> O Erasmus Mundus concede vagas para estudantes de todo o mundo para cursos superiores, de mestrado e doutorado. A iniciativa é parte da campanha educacional Study in Europe, promovida pela Comissão Europeia. O Brasil é o foco das ações dessa comissão em 2009. Os interessados podem optar por 17 países europeus, com bolsas que cobrem a moradia nas universidades, custeio de taxas e material escolar.

ec.europa.eu/education/external-relation-programmes/doc72–en.htm

Espanha

> Para se inscrever no Maec, principal programa de qualificação educacional para estrangeiros no país, é preciso residência fixa, ensino superior completo e passaporte. O aluno precisa preparar um projeto de estudos, de cuja aprovação depende a concessão da bolsa. O auxílio mensal varia de acordo com o programa escolhido, mas cobre, em geral, acomodação, seguro saúde, pagamento das taxas escolares e auxílio para o pagamento da passagem aérea.

www.becasmae.es/

França

> Promovido pelo Ministério das Relações Exteriores da França, o Eiffel é dirigido para mestrados nas áreas de Engenharia, Administração, Economia, Ciências Políticas e Direito. É necessário ter ensino superior completo, no máximo 30 anos e um projeto de estudo aprovado por instituições francesas.

www.egide.asso.fr ou www.brasil.campusfrance.org

Estados Unidos

> Exclusivo para mulheres, a American Association of University Women (AAUW) custeia mestrados, doutorados e pós-doutorados que custem até US$ 18 mil, US$ 20 mil e US$ 30 mil respectivamente.

www.aauw.org/education/fga//fellowships–grants/international.cfm

> Com 12 modalidades de bolsa, destinadas a estudantes de graduação, pesquisadores, mestrandos e doutorandos, a Comissão Fullbright é uma das instituições financiadoras mais conhecidas no mundo. Além da indispensável fluência em inglês, é necessário apresentar uma série de documentos, como cartas de recomendação, histórico escolar e um plano de estudos detalhado.

www.fulbright.org.br

Portugal

> A Fundação Calouste Gulbenkian concede bolsas de doutorado nas áreas de ciências humanas. Os projetos de estudos devem conter elementos da cultura portuguesa, seja nas artes, história ou literatura. Os benefícios contemplam seguro-saúde e auxilio mensal, experiência profissional e características do projeto de estudos.

www.gulbenkian.pt