Notícia

Correio Braziliense

O cientista boêmio

Publicado em 30 abril 2013

Por Gabriel de Sá
“Quando eu for, eu vou sem pena Pena vai ter quem ficar (…) O que eu fiz é muito pouco Mas é meu e vai comigo Deixo muito inimigo Porque sempre andei direito”   Os versos de Quando eu for, eu vou sem pena, escritos pelo paulistano Paulo Vanzolini, são um retrato de sua modéstia. A obra que ele deixou como compositor, cerca de 70 canções, pode até não ser tão volumosa para um homem que viveu 89 anos. É que fazer música era um hobby para ele. Mesmo assim, Vanzolini imprimiu sua marca no cancioneiro popular. Além de [...]

Conteúdo na íntegra disponível para assinantes do veículo.