Notícia

Envolverde

Má formação dentária

Publicado em 21 setembro 2010

Por Fábio Reynol, da Agência Fapesp

Dentes que não nascem, manchas no esmalte e dentição com características irregulares são alguns problemas que podem ocorrer durante a formação dentária.

Estudá-los de maneira ampla foi o objetivo do Projeto Temático "Defeitos na formação do órgão dental", que teve o apoio da FAPESP e foi coordenado por Sérgio Roberto Peres Line, do Departamento de Morfologia da Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade Estadual de Campinas (FOP-Unicamp), em Piracicaba (SP).

Um dos objetos de estudo foi o efeito do flúor na ocorrência de manchas no esmalte do dente. Considerada uma má formação branda, esse problema ocorre durante a formação da matriz orgânica e calcificação do dente e afeta principalmente o seu esmalte.

Apesar de ser composto basicamente por minerais, o esmalte dentário começa a se formar a partir de uma matriz proteica, e nessa fase o dente já sofre a ação do flúor.

"Desenvolvemos um método que utiliza microscopia de luz polarizada e permite estudar o estado de agregação das proteínas do esmalte dentário", disse Line à Agência FAPESP.

Já se sabia que o flúor atinge o esmalte dentário, no entanto a equipe da FOP mostrou como isso ocorre. "Mostramos que o flúor desorganiza a matriz proteica do esmalte dentário durante a sua formação", ressaltou.

Essa parte da pesquisa compôs o doutorado de Alexandre Ribeiro do Espírito Santo, que estudou os efeitos das alterações genéticas sobre a matriz orgânica do esmalte dentário e contou com Bolsa da FAPESP.

Outra alteração encontrada no esmalte dentário analisada no projeto foi a amelogênese imperfeita, um problema provocado por mutações de diferentes genes relacionados à formação dessa parte do dente.

Essa anomalia pode se manifestar de diferentes formas, como, por exemplo, um esmalte dentário duro, de espessura fina e cheio de irregularidades. Na forma mais comum da doença, o esmalte surge com uma consistência mole e, ao ser desgastado pela mastigação, acaba desaparecendo e expondo a dentina, a parte interna do dente.

"Com isso, a doença apresenta consequências estéticas e também funcionais porque após o desgaste pode sobrar apenas um pedacinho do dente", explicou Line.

Essa parte da pesquisa foi realizada em conjunto com Pragna Patel, do Instituto para Medicina Genética da Universidade do Sul da Califórnia (USC), nos Estados Unidos. As equipes brasileira e norte-americana mapearam uma região gênica relacionada à amelogênese imperfeita.

O levantamento genético também teve a participação dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês). Nessa etapa, foram estudadas famílias que tinham pessoas com a doença para identificar os genes relacionados à sua ocorrência.

"Nenhum dos casos testados apresentou correlação com a amelogênese imperfeita. Mesmo assim, os resultados são importantes, pois foram analisados todos os genes relacionados à formação do esmalte e agora sabemos que eles, isoladamente, não são responsáveis pela doença, o que indica que outros genes estão envolvidos", afirmou Line.

A análise dos genes envolvidos na amelogênese imperfeita foi o tema da tese de doutorado de Maria Cristina Leme Godoy dos Santos, que desenvolveu seus trabalhos com Bolsa da FAPESP.

Dentes que não se formam

A equipe também investigou a ausência do processo de formação do dente, chamada de "agenesia dentária", cuja maior ocorrência está entre os dentes incisivos laterais superiores e terceiros molares, conhecidos como dentes do siso. Em casos mais graves, poucos dentes são formados, causando sérios problemas de mastigação e de fala, além dos relacionados à estética.

Para estudar essa enfermidade, a equipe da FOP analisou os polimorfismos de um gene chamado PAX9 e conseguiu relacionar alguns deles à agenesia de dentes molares, principalmente o dente do siso. O PAX9 esteve no foco das pesquisas de mestrado de Carolina Vieira de Almeida e de doutorado de Cristiane Pereira Borges Saito e Liza Lima Ramenzoni, com Bolsas da FAPESP.

trabalho exigiu a coleta de DNA de pacientes atendidos pela clínica da FOP que sofrem de agenesia. Com isso, os pesquisadores puderam comparar regiões do DNA com o de pessoas sadias e, dessa forma, identificar possíveis trechos envolvidos com a doença.

Iniciado em 2005, o trabalho terminou em maio de 2010, tendo produzido artigos importantes como o New locus for autosomal dominant amelogeneis imperfecta on chromosome 8q24.3, publicado em 2006 na revista Human Genetics e que identifica o cromossomo 8 como um novo locus da amelogênese imperfeita.

Outro trabalho produzido nesse mesmo projeto foi aceito recentemente pela revista Cell Biochemistry and Function e deverá ser publicado ainda este ano, de acordo com Line.

O grupo da FOP pretende aprofundar os estudos nas regiões identificadas do PAX9 que apresentaram maior probabilidade de estar relacionadas aos problemas dentários. Esse é o foco do estudo de Mariana Martins Ribeiro e de Luciana Souto Mofatto - a primeira tem Bolsa de Treinamento Técnico da FAPESP e, a segunda, de Pós-Doutorado.

A formação de recursos humanos foi um dos principais resultados do projeto, de acordo com Line. "Estudantes que atuaram nesse Temático são agora docentes na Universidade Federal do Paraná, na Universidade Federal da Bahia e na Universidade Estadual do Amazonas", disse.

Line também considera a atualização da infraestrutura de pesquisa uma importante consequência do Temático. "A aquisição de um freezer que atinge -70º C e de um luminômetro [para medição de luminescência] e a montagem de uma sala de cultura de células, que será usada por outras áreas da Unicamp, são contribuições importantes que o apoio da FAPESP permitiu viabilizar", afirmou.

(Envolverde/Agência Fapesp)