Notícia

Bem Paraná online

Feijão radiografado

Publicado em 01 junho 2007

Por Thiago Romero, Agência Fapesp

Raio X foi usado para diagnosticar danos causados ao grão durante a colheita

Um trabalho de iniciação científica desenvolvido por Victor Augusto Forti, aluno de engenharia agronômica da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da Universidade de São Paulo, conquistou o prêmio ISTA Seed Symposium Award 2007, oferecido pela Associação Internacional de Análises de Sementes (ISTA, na sigla em inglês).
A pesquisa Image analysis technique to evaluate mechanical and chinch-bugs damages in beans seeds, apresentada na forma de pôster durante o 28º Congresso Internacional da Seed Testing Association, foi realizada em parceria com a doutoranda Taís Leite Ferreira Pinto e orientada pelo professor Silvio Moure Cicero, do Departamento de Produção Vegetal da Esalq.
O prêmio foi entregue durante o congresso da ISTA, realizado de 7 a 9 de maio em Foz do Iguaçu (PR). Foram premiados ainda outros dois trabalhos apresentados na forma de pôster e três na forma oral, de um total de 380 trabalhos concorrentes nas duas modalidades.
O estudo de Victor Forti validou uma técnica de análise de imagens de raio X para identificar danos mecânicos, como rupturas e rachaduras que podem ocorrer durante o processo de colheita e beneficiamento dos grãos e outros tipos de danos internos causados por percevejos em sementes de feijão.
"Essa é uma técnica utilizada em países da Europa, além de Estados Unidos, Canadá e Japão, e que trouxemos e adaptamos para uso no Brasil", disse o estudante à Agência FAPESP. "Os testes são feitos antes de os grãos serem plantados, para que seja possível calcular o índice de produtividade esperada no campo de produção", explica.
Para identificar os lotes de sementes mais adequados à semeadura, o trabalho premiado analisou mil sementes de feijão do cultivar pérola, divididos em cinco lotes de 200 grãos cada. As análises foram realizadas nos Laboratórios de Análise de Imagens e de Análise de Sementes da Esalq.
"Tiramos uma radiografia individual de cada uma das mil sementes e fizemos testes de germinação para verificar as relações entre os danos identificados e o crescimento das mudas. As imagens foram digitalizadas e a qualidade de cada grão foi avaliada na tela do computador", disse Forti.
Após as análises, as sementes foram colocadas para germinar e todos os grãos que sofreram danos severos, identificados no computador, tiveram sua germinação prejudicada. "Como conclusão, conseguimos validar o método para utilização em diferentes tipos de pesquisas sobre avaliação de qualidade de grãos", explica.
Com a técnica de análise de imagens, o diagnóstico da qualidade dos lotes de sementes é feito em até 15 minutos. Segundo Forti, outras linhas de pesquisa realizadas nos laboratórios da Esalq também comprovaram a eficiência da mesma técnica para identificação de danos em sementes de soja e milho.
Para o orientador do trabalho, Silvio Moure Cicero, ganhar esse prêmio gera um impacto positivo e aumenta a visibilidade no exterior das pesquisas realizadas na Esalq. "O trabalho foi apresentado e o prêmio entregue durante o congresso internacional mais importante da área de tecnologia de sementes, realizado a cada três anos em diferentes países. Os maiores especialistas de 40 países estavam presentes e alguns puderam conhecer de perto os resultados da pesquisa", disse à Agência FAPESP.
Um artigo científico com os principais resultados do trabalho, que teve financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da FAPESP, foi aceito para publicação na Revista Brasileira de Sementes e deverá ser veiculado em breve.