Notícia

IstoÉ Dinheiro

As 50 empresas do bem

Publicado em 25 maio 2012

A partir de 13 de junho, o Brasil será palco da conferência Rio+20, fórum promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU), cujo objetivo é discutir as estratégias para enfrentar o aquecimento global e garantir a sustentabilidade do planeta. Houve um tempo em que esse debate era considerado um território exclusivo de agentes governamentais. O mesmo se aplica às questões predominantemente sociais, como educação e saúde. Nas últimas duas décadas, a partir da pioneira Rio 92, o primeiro evento global a tratar do tema (daí a origem do Rio+20 que batizou a conferência deste ano), o cenário mudou. Empresas dos mais variados setores e portes financeiros passaram, por iniciativa própria ou pressão da sociedade, a prestar atenção ao que acontecia no entorno de suas fábricas e escritórios. Esse olhar, cujo foco inicial era direcionado unicamente às necessidades da comunidade, evoluiu para todo o ecossistema.

26 - Embraer
 
Durante muitos anos, empresas e universidades atuaram em campos distintos. Isso, no entanto, começa a mudar graças à formação de parcerias para acelerar o desenvolvimento de tecnologias e até mesmo de produtos de consumo. Um dos exemplos dessa nova mentalidade é o acordo envolvendo a Embraer, a americana Boeing e o Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo. O objetivo é buscar fórmulas para reduzir os impactos ao meio ambiente causados pelo setor. A meta é desenvolver uma opção ao querosene, que tenha custo competitivo e desempenho similar aos combustíveis de origem fóssil. 
 
Para isso, foi assinado um protocolo de intenções com o objetivo de estudar a viabilidade de instalação de um centro de pesquisas dedicado ao tema. "Parcerias como essa são importantes para manter uma indústria como a nossa na vanguarda tecnológica", afirma Mauro Kern, vice-presidente-executivo de tecnologia e engenharia da Embraer. "Só no Brasil, a Embraer tem hoje programas com mais de 15 universidades".A meta das empresas é cortar pela metade as emissões de carbono do setor de aviação até 2050. A Embraer, aliás, é pioneira na produção, em escala comercial, de aeronaves movidas a combustíveis renováveis. Seu avião agrícola Ipanema é movido a etanol.