Notícia

USP São Carlos

Workshop apresenta soluções do MBA em Ciências de Dados

Publicado em 21 janeiro 2021

Por Assessoria de Comunicação

Alunos defenderam TCCs e público acompanhou as exposições

Utilização de aprendizado de máquina para avaliar risco de irregularidades em políticas públicas, um modelo que classifica e melhora processos de impressão na indústria gráfica, classificação de lesões dérmicas para diagnóstico prematuro de melanomas, separação automática de lixo reciclável com Inteligência Artificial. Estas e outras tantas soluções são resultado do primeiro MBA em Ciências de Dados oferecido pelo Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC/USP).

No sábado (16), foi realizado o workshop de defesas dos TCCs de 142 alunos. Online e simultaneamente, os trabalhos foram apresentados e avaliados pelos orientadores e professores convidados. Também foi grande a participação do público que teve autorização para assistir as apresentações dos trabalhos de maior interesse.

Com coordenação do Prof. Francisco Louzada Neto, o curso foi o primeiro da área a ser oferecido no modelo a distância por uma universidade pública e, durante um ano, trouxe aos participantes fundamentos de ciênciasde dados, metodologias e disciplinas desenvolvidas especialmente para suprir uma demanda de vários segmentos do mercado perante a nova era da informação digital.

No decorrer do curso, os alunos também foram preparados para criar estes projetos que desenvolvessem suas habilidades teóricas e práticas. O que foi apresentado no workshop, em sua maioria, discutiu problemas reais das empresas que a turma atua, fechando assim, um ciclo que aproxima a academia do mercado de trabalho.

E embora fosse destinado a candidatos que tivessem formação universitária em ciência da computação, economia, administração, engenharia, estatística, sistemas de informação e áreas correlatas, Paulo Fernandes Sanches Junior, advogado, foi um dos aprovados na seleção.

Paulo exerce a profissão em Belo Horizonte e conta que nunca tinha trabalhado com ciências de dados, decidiu aceitar o desafio por achar que sua área precisa de muitos ganhos tecnológicos. “Já me matriculei com a intenção de desenvolver um projeto que pudesse classificar sentenças judiciais”, disse. “O direito é exercido da mesma forma há muitos anos, é recente, por exemplo, a digitalização dos processos. Nossos clientes entram com ações e não sabemos nada sobre o que pode acontecer, quais são as chances de ganhar, perder, então, com esse modelo desenvolvido no curso, eu consigo extrair padrões que podem minimizar as perdas. Podemos antes de ingressar com uma ação ter uma previsão das chances de vencer, calcular possíveis condenações, indenizações, enfim, estudamos a probabilidades para tomada de decisões. Por não ser da área, eu me dediquei muito a entender o conteúdo, já tenho condições de aplicar o modelo, mas nesse momento, estou trabalhando em criar uma base de dados robusta para que a tecnologia seja implantada e disseminada para várias áreas do direito. A ideia é, no futuro, criar uma plataforma onde o próprio cliente possa acessar e consultar quais seriam suas chances de ganhar ou não uma ação, garantir também que o consumidor não desista de ter seus direitos assegurados por falta de padrões reconhecidos nas decisões judiciais”, falou Paulo.

Ele foi orientado pela professora Solange Oliveira Rezende, do ICMC/USP-São Carlos. “O Paulo deu um grande exemplo de determinação e superação. O que mais o favoreceu foi o desejo dele de ter ferramentas tecnológicas na área que atua, levar inovação digital para o universo profissional dele que necessita desses recursos. A dificuldade que ele teve nas disciplinas foi superada pela facilidade em se relacionar, humildade em perguntar e vontade de aprender. Importante a gente lembrar que todos os participantes estavam num mesmo barco, buscando os melhores recursos para trazer algo novo para o seu trabalho. Orientei também uma aluna, a Flavia Lemos Sampaio Xavier, que até já foi premiada pelo resultado aplicado que obteve no MBA. Enfim, a orientação a esses projetos traz problemas novos para a academia. E a relação não encerra com a apresentação do TCC, são abertos caminhos de parcerias futuras. Isso é muito interessante porque nós atingimos o nosso objetivo como formadores de recursos humanos de qualidade e essas defesas trazem aos alunos a visão de etapa concluída, um novo olhar na vida profissional deles”.

A professora doutora em Estatística Cibele Russo comentou sobre a qualidade dos trabalhos de conclusão. “ Muitos com contribuições metodológicas para resolver problemas reais de ciências de dados, com desafios de diversas áreas: financeira, industrial, comercial, biológica, educacional, entre muitas outras. Ficou muito claro o amadurecimento dos alunos após um ano de muita dedicação ao MBA, com grande contribuição para a solução dos problemas que atacaram. Uma satisfação para mim poder presenciar a conclusão desses trabalhos ”, comentou.

“Os trabalhos de conclusão de curso são um passo importante na formação dos alunos, pois eles podem colocar em prática o conhecimento adquirido durante a graduação. Além disso, tenho notado, que cada vez mais, muitos alunos que desenvolvem o TCC têm uma visão empreendedora e buscam, com o TCC, colocar algum produto novo no mercado. Por exemplo, recentemente orientei alunos interessados em novos métodos de diagnóstico de doenças, análise do mercado financeiro e comércio online. Outros, apresentam uma preocupação social bastante grande, como alunos que desenvolveram estudos para melhorar a segurança na gestão em grupos de risco, modelagem e estudo de epidemias em nossa sociedade ou mesmo propagação de informações de informações falsas no Twitter. O TCC é uma ótima oportunidade para o aluno aprimorar suas habilidades, bem como prepara-lo para o mercado de trabalho e ajudar nossa sociedade, que ainda necessita de estudos, recursos e dispositivos que podem ser facilmente desenvolvidos por nossos alunos. É uma espécie de mutualismo, onde todos ganham, alunos, docentes e nossa sociedade” opinou Francisco Rodrigues que compõe o corpo docente do MBA.

Com o sucesso da primeira turma e a grande procura, o curso foi expandido em 2021, oferecendo 280 vagas. A seleção já ocorreu e as aulas iniciam no fim de janeiro.

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

Mais informações:

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: contatocemeai@icmc.usp.br

Por Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI