Notícia

Folha da Região (Araçatuba, SP) online

Wilson Marini: Governo acena com retomada da economia paulista em 2017

Publicado em 10 outubro 2016

Por Wilson Marini

Retomada da economia paulista, com a geração de riquezas e maiores oportunidades de trabalho; integração maior entre as regiões; e busca por maior transparência na gestão do Estado. Esses três motes inspiram o projeto do orçamento do governo do Estado de São Paulo para 2017. A gestão vai priorizar a área social: a maior parte dos recursos públicos, equivalente a quase 75% da receita, será destinada a fomentar políticas nas áreas de saúde, educação, segurança pública, preservação ambiental, mobilidade urbana e habitação. 

Equilíbrio das contas
De acordo com o documento, enviado à Assembleia Legislativa, o desafio será o de equilibrar as contas públicas do Estado, por meio de rígida disciplina fiscal, com medidas que preservem os investimentos públicos. Com limitações para atingir as metas com seus próprios recursos, o governo estadual vê como saídas para 2017 a ampliação de parcerias com o setor privado, principalmente no que se refere a rodovias estaduais, aeroportos, serviços de ônibus intermunicipais e novas linhas do metrô. 

Receita menor
O orçamento do governo do Estado de São Paulo em 2017 será de aproximadamente R$ 838 milhões inferior ao de 2016. Até dezembro, os deputados terão que aprovar a peça, devendo incluir as suas emendas, inclusive as que foram coletadas em audiências públicas realizadas em todas as regiões do Estado. O orçamento de 2017 será de R$ 206.026.609.232,00, contra R$ 206.864.665.868,00 estimados para 2016. 

Luz no fim do túnel
O Brasil está mais perto de uma virada econômica, segundo aponta uma atualização do relatório “Perspectivas econômicas globais”, do Fundo Monetário Internacional (FMI), publicado nesta semana. O órgão indica que o país está próximo de sair da recessão e confirma para 2017 crescimento do Produto Interno Bruto de 0,5%. 

Vem aí o e-SUS
Os municípios brasileiros terão 60 dias para adotar o prontuário eletrônico nas unidades básicas de saúde, chamado de e-SUS. A plataforma digital permitirá o acompanhamento, em tempo real, de histórico, dados e resultado de exames dos pacientes, disponibilidade de medicamentos e registro de visitas de agentes de saúde. Das 41.688 UBSs em funcionamento em 5.506 municípios brasileiros, apenas 10.134 (que cobrem uma população de 106,98 milhões de pessoas) têm o prontuário eletrônico. 

Vacina à vista
Começaram nesta sexta-feira, no Mato Grosso, os testes clínicos em humanos da primeira vacina brasileira contra a dengue, desenvolvida pelo Instituto Butantan, de São Paulo. Cerca de 1.200 pessoas de 2 a 59 anos devem participar do estudo, que integra a terceira e última etapa de testes antes de a vacina ser submetida à aprovação da Anvisa, para que possa ser produzida em larga escala e disponibilizada para campanhas de imunização em massa na rede pública de saúde do país. O governador Alckmin, entusiasta da novidade, foi a Cuiabá conferir de perto o início dos testes.

Na Assembleia
● A Assembleia Legislativa aprovou moção que pede medidas do governo federal para a redução do preço do óleo diesel. 

● A Exposição Nacional de Orquídeas de Americana, que ocorre anualmente em setembro, foi incluída no calendário turístico oficial do Estado. 

Nas cidades
Pesquisa do Instituto Teor Marketing, intitulada “Humanização das Cidades”, aponta algumas tendências urbanas. Uma delas é que as pessoas têm se envolvido mais com questões relacionadas ao consumo consciente de água ou energia elétrica. O estudo revela que 98% dos entrevistados realiza pelo menos uma ação sustentável, em seu local de trabalho ou residência, como reciclar o lixo e dar preferência à compra de produtos locais, além de diminuir o uso do carro. 

Moradia e comércio
Quando o assunto é moradia, a pesquisa revela o desejo da maioria de viver em cidades compactas, onde moradia, trabalho e compras estejam a uma distância de 20 minutos a pé, no máximo. No quesito economia, o comércio local lidera a preferência dos entrevistados em relação às demais opções, inclusive a virtual. 

Meio século
Fundada em 5 de outubro de 1966, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) exibe um perfil notável. É responsável por 8% da pesquisa acadêmica brasileira e 12% da pós-graduação nacional. A média anual de teses e dissertações defendidas é de 2,1 mil e 99% de seus professores possuem título de doutor. Esse batalhão do ensino e pesquisa lidera o ranking nacional per capita de publicações científicas nas revistas internacionais catalogadas. 

Pesquisas
Entre as pesquisas da Unicamp que ganharam repercussão nacional desde a fundação, destacam-se a primeira fibra ótica nacional (1979); o Programa Biota-Fapesp, criado para identificar, mapear e investigar as características da fauna, da flora e dos microrganismos do Estado de São Paulo (1999); o Projeto Genoma, que decifrou o sequenciamento genético da bactéria Xyllela fastidiosa, causadora da praga do amarelinho, doença que afeta 30% dos laranjais paulistas (2000); e o sequenciamento genético da levedura Saccharomyces cerevisiae, que responde por 30% da produção de etanol no Brasil (2009).