Notícia

Folha da Região (Araçatuba, SP) online

Wilson Marini: China de olho em São Paulo

Publicado em 14 agosto 2017

Por Wilson Marini

Os presidentes do Bank of China Brasil e da Associação Geral Shanghai do Brasil bateram o ponto no Palácio dos Bandeirantes na última terça-feira (8) para discutir investimentos e oportunidades de negócios nas regiões do Estado de São Paulo. Foram recebidos pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB).

“Queremos apoiar o Estado de São Paulo e estreitar os laços entre nossos povos em todos os âmbitos”, disse Marcos Zheng, um dos emissários. Em janeiro de 2014, foi assinado um memorando de entendimento entre o banco chinês e a agência Investe São Paulo, do governo paulista. Como resultado, quatro delegações de empresários chineses vieram a São Paulo e uma missão paulista foi à China com objetivo de divulgar o estado como destino para investimentos e consolidar as relações econômicas entre os dois lados. Nos últimos cinco anos, São Paulo e China assinaram seis acordos com foco nos setores de agricultura, meio ambiente e esportes.

A menor fatia do bolo
A Confederação Nacional de Municípios (CNM) divulgou um cenário sombrio sobre as finanças dos municípios. Todo ano, os números da receita disponível entre os três entes da federação, após as transferências, indicam que a União fica com cerca de 50% da arrecadação, os Estados com 31% e os Municípios com apenas 19% do total tributário nacional. Em 2016, as transferências federais e estaduais corresponderam a mais de 75% do orçamento em 82% das prefeituras, o que denota a centralização dos recursos e elevada dependência. O estudo mostra que apenas 1,81% dos 5.568 municípios brasileiros tiveram menos da metade da receita associada a repasses dos governos estaduais e da União no ano passado.

Pacto federativo
Os gastos principais do conjunto dos municípios são nas áreas de Educação (26,2%) e Saúde (24,8%). Já os principais gastos da União e dos Estados são em pagamentos de dívidas e amortizações. Apesar de terem a menor fatia dos recursos nacionais, são os municípios que investem e atendem as suas comunidades em áreas essenciais, diz a CNM.

Para a entidade, o quadro reforça a necessidade de realizar o chamado pacto federativo, reivindicação de muitos anos do movimento municipalista, a fim de que os recursos sejam alocados nas cidades, “que são efetivamente o braço executor de todas as políticas públicas. Estados”. O ex-governador Franco Montoro já dizia: ninguém mora no país ou nos estados, mas nos municípios.

Em nome da sustentabilidade
Campinas iniciou neste mês a construção de um sistema de compostagem para transformar 200 toneladas diárias de resíduos urbanos vegetais em compostos orgânicos, equivalente a 70 toneladas de adubo. O sistema é apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O Agropolo Campinas busca soluções inovadoras em temas como resíduos urbanos e agrícolas; energia, reciclagem de nutrientes e fertilizantes; tecnologias para agricultura de precisão; uso sustentável da água; alimentos funcionais; biocombustíveis avançados para aviação e transporte pesado; e biomassa para produtos químicos. Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp, afirma: “Temos que ter ideias baseadas em ciência avançada e competitiva”.

Na Assembleia
Projeto de lei em discussão na Assembleia paulista obriga a cadeia da indústria de café em cápsulas a estabelecer sistema de logística reversa para destinação adequada dos invólucros utilizados. Pelo texto, os supermercados e hipermercados deverão disponibilizar recipientes apropriados e os fabricantes coletarão os invólucros descartados, a fim de reciclar ou dar a destinação ambientalmente adequada para descarte.

Infoqueima
O Programa Queimadas – Monitoramento por Satélites (Infoqueima), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), de São José dos Campos, identifica qualquer incêndio em qualquer ponto do País. O monitoramento de queimadas em imagens de satélites é imprescindível num país como o Brasil, com dimensões continentais e muitas regiões remotas.

Na Baixada
O Porto de Santos recuperou parte da profundidade do trecho 1 do canal de navegação, que vai da entrada da Barra até o Entreposto de Pesca, segundo A Tribuna. Com isso, agora, embarcações com até 13 metros de calado (distância vertical da parte do casco que permanece submersa) estão autorizadas a trafegar no complexo marítimo, em condições normais de maré.

Exportação de automotivos
As exportações de veículos garantem impulso à indústria automotiva. De janeiro a julho, foram vendidos no mercado internacional 439,5 mil carros feitos no Brasil, aumento de 55,3% em relação ao resultado registrado há um ano. É o maior volume histórico para o período, acima do patamar de 2005, que era o melhor até então, diz a Anfavea, associação dos fabricantes do setor.

Água por assinatura
A empresa nordestina Blu quer trazer para São Paulo o serviço de assinatura de água mineral, oferecido atualmente apenas em Fortaleza e Natal. Investiu R$ 5 milhões e, em troca, espera ter uma carteira de 500 condomínios residenciais ou comerciais em até três anos.