Notícia

E-Health Reporter Latin America

Wheelie: A primeira cadeira de rodas controlada pelo rosto

Publicado em 23 janeiro 2019

Existem pessoas tetraplégicas, vítimas de doenças neurodegenerativas, entre outras, que usam cadeira de rodas, mas não têm coordenação nas mãos. Essas pessoas não podem mover o joystick de uma cadeira de rodas motorizadas, então eles dependem de seus familiares e cuidadores como a principal fonte de mobilidade.

Para essas pessoas, já existem algumas tecnologias que permitem que controlem a cadeira de rodas, mas elas são muitas vezes ineficientes, invasivas e exigem que sensores sejam colocados no corpo.

Pensando sobre este problema, foi criado Wheelie, um sistema que detecta as expressões faciais, como sorrir, beijar ou levantar as sobrancelhas – sem sensores nem treinamento – e os traduz em comandos para manobrar uma cadeira de rodas em tempo real.

Wheelie não é uma cadeira de rodas, e sim um kit, que contém tudo o que a pessoa precisa para adaptar uma cadeira de rodas motorizadas comum, e controlá-la usando expressões faciais. O kit, chamado “Wheelie 7”- tem esse nome porque leva-se apenas 7 minutos para fazer toda a instalacão, apenas seguindo um manual de instruções – reconhece até 9 expressões faciais.

Além disso, o sistema antecipa quando a pessoa vai tossir, espirrar e bocejar o quando estiver conversando com alguém, e desabilita o uso das expressões faciais temporariamente.

A Wheelie foi criado por HOOBOX Robotics, uma empresa de São Paulo fundada em 2016 pelo Dr. Paulo Gurgel Pinheiro (Co-Fundador e CEO), junto com Cláudio Pinheiro (Co-fundador e COO).

A HOOBOX começou a desenvolver o primeiro programa de computador capaz de traduzir expressões faciais em comandos para controlar uma cadeira de rodas a partir de uma ideia de Paulo, que ao final de seu pós-doutorado estava trabalhando no desenvolvimento de uma tecnologia que analisava expressões faciais e movimentacão dos olhos dos pilotos durante uma missão (para descobrir o seu grau de concentração e esforço).

Ele então pensou que a mesma tecnologia de monitoramento facial poderia ser aplicada para melhorar a vida das pessoas e começou a trabalhar no projeto.

Em 2018, a startup mudou-se para Houston para ser incubada no JLABS @ TMC (laboratório de inovação da Johnson & Johnson) como parte de seu processo de internacionalização.

A startup foi investida com sementes pelo Hospital Israelita Albert Einstein, e arrecadou mais de US $ 300.000 em subsídios da FAPESP (Fundação de Pesquisa de São Paulo).

Hoje, a equipe da HOOBOX é formada por engenheiros, cientistas, médicos e fisioterapeutas.

Fonte: http://www.hoo-box.com