Notícia

Gestão C&T

Vogt diz que a divulgação científica é fundamental para a consolidação da cultura científica de um país

Publicado em 11 fevereiro 2008

Na última sexta-feira (8), o secretário de Ensino Superior do Estado de São Paulo, Carlos Vogt, esteve em Madri, na Espanha, onde participou do congresso Cidadania e Políticas Públicas em Ciência e Tecnologia. O evento, que reuniu especialistas de diversos países, foi promovido pela Fundação Espanhola para Ciência e Tecnologia (Fecyt) e pela Organização dos Estados Iberoamericanos (OEI).

De acordo com informações da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Vogt destacou que a falta de interesse do público pela ciência ou a falta de confiança na ciência e na tecnologia, ou mesmo nos cientistas, envolve outras variáveis além do ensino formal e do ambiente, como a cultura geral do indivíduo e os estímulos que recebe, por exemplo, pelos meios de comunicação.

Segundo o secretário, a percepção pública da ciência é entendida por muitos como algo integrante de um sistema cultural, que ele denomina de cultura científica. Vogt disse que as iniciativas como a divulgação científica e a capacitação de cientistas e de jornalistas são importantes para se consolidar a cultura científica de um país.

O pesquisador da Rede Iberoamericana de Ciência e Tecnologia (Ricyt), da Argentina, Carmelo Polino, disse, durante o evento, que o Brasil tem o pior índice de interesse por ciência entre os países ibero-americanos. Segundo Polino, uma pesquisa realizada em sete grandes cidades do Brasil mostrou que em São Paulo, capital, 35% dos entrevistados, em uma amostra de 1.076 habitantes, revelaram não se interessar por ciência por não compreender os textos de conteúdo científico.

De acordo com a fundação, os trabalhos de percepção pública da ciência tiveram início em 2003, em São Paulo, em uma pesquisa pioneira e internacional, conduzida pela Ricyt, OEI e Fapesp. Os dados deram base para um trabalho contido nos Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo, publicado pela fundação. A publicação está disponível neste link. 


(Com informações da Fapesp)