Notícia

Olhar Direto

Vitamina E em excesso pode agravar inflamação, diz pesquisa

Publicado em 15 outubro 2007

Pesquisa feita no Laboratório de Imunofarmacologia do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), da Fundação Oswaldo Cruz, destacou um possível papel antagônico da vitamina E em processos inflamatórios, indicando que a administração de uma dosagem mais alta agravar o quadro clínico. As informações são da Agência Fapesp.

Os resultados do estudo, que durou dois anos, indicam que a vitamina E tem um efeito inibitório na atividade do receptor nuclear PPAR gama - proteínas existentes no núcleo das células e que são importantes na comunicação celular - somente quando administrada em baixa dosagem.

Os pesquisadores utilizaram um modelo experimental em camundongos, no qual provocaram um processo inflamatório, e avaliaram o efeito do tratamento com vitamina E por meio da administração de drogas utilizadas em tratamentos clínicos.

Constataram que uma dose de 40 microgramas por cavidade (por animal) tem efeito antiinflamatório, mas, se a dose for aumentada para 120 microgramas por cavidade, a vitamina E tem atividade pró-inflamatória. O que chamou a atenção é que essa última dosagem corresponde a uma dose comumente prescrita para humanos.

O estudo traz um alerta importante quanto ao uso indiscriminado da vitamina E. A bióloga Adriana Ribeiro Silva, coordenadora da pesquisa, ressalta que os resultados são importantes porque drogas que se ligam ao receptor PPAR gama são utilizadas clinicamente e aceitas comercialmente como antidiabéticos. O próprio estudo começou com a proposta de avaliar o uso dessas drogas no tratamento da diabetes.

A equipe do IOC pretende mostrar os efeitos adicionais ao conhecido efeito antioxidante da vitamina E e propor sua aplicação como um antiinflamatório que possa ser utilizado de forma mais ampla, inclusive em doenças com fundo infeccioso, como infecção por bactérias e outros microrganismos.

O próximo passo da pesquisa será investigar as atividades pró e antiinflamatória da vitamina E com foco na sepse, doença inflamatória sistêmica que resulta da disseminação de bactérias a partir de um foco infeccioso e gera uma resposta inflamatória que pode acarretar óbito.

A idéia é avaliar com certeza o efeito dela sobre o PPAR gama, para tentar caracterizá-lo melhor como benéfico ou maléfico. Os resultados, segundo a pesquisadora, corroboram com uma máxima famosa do filósofo grego Sócrates: "Nada em excesso".

Fapesp