Notícia

Sulmix

Visão computacional faz diagnóstico precoce de doença da citricultura

Publicado em 04 março 2006

Acaba de ser patenteada uma metodologia de visão computacional que faz o diagnóstico precoce da mancha preta em frutos cítricos. Desenvolvido no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), da USP de São Carlos, o CitrusVis é um software que identifica o Guignardia Citricarpa, fungo causador da doença.
"O sistema pode reduzir o uso de agrotóxicos e evitar perdas na safra de laranja", afirma o professor do ICMC, Odemir Martinez Bruno, coordenador do projeto. "O CitrusVis identifica os ascósporos, forma embrionária do fungo, tão logo apareça no ar, antes de infectar o vegetal."
O programa interpreta imagens obtidas em amostras de partículas em suspensão nos pomares. "O pé de laranja pode estar infectado, mas as manchas negras nos frutos e folhas, principal sintoma da doença, levam até um ano para aparecer", relata o professor, ressaltando que nesse estágio os danos são irreversíveis.
As amostras das partículas são obtidas por um caça-esporos e recolhidas em discos. "Os ascósporos podem ser confundidos com outros fungos e substâncias diversas, assumindo formas diferentes conforme o modo em que caiam no coletor", lembra Bruno. "As imagens do disco são transferidas para o computador e o CitrusVis usa um padrão que combina metodologias matemáticas para transformar as formas em sinais e reconhecer o fungo com 97% de acerto."

Coleta
De acordo com o professor, o CitrusVis pode ser usado com qualquer sistema de coleta de partículas. "O programa realiza rapidamente a análise de cada disco, trabalho que consumiria duas ou mais horas, se realizado por especialistas", explica. "Dependendo do tamanho, um único pomar pode fornecer dezenas de discos por semana, o que inviabiliza o trabalho manual."
Segundo Bruno, "o conjunto com um microscópio munido de câmera, computador e o software do sistema custa cerca de US$ 5 mil, o que representa uma pequena fração do que um produtor normalmente gasta com agrotóxicos."
O CitrusVis, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), é uma derivação do projeto TreeVis (visão artificial aplicada à biotecnologia vegetal), iniciado há cinco anos no ICMC. "Os ascósporos chegam aos pomares com a chuva e o vento. Se o coletor de partículas for acoplado a uma estação meteorológica, é possível saber qual a origem dos fungos, estendendo a prevenção da mancha preta para outras propriedades", diz Bruno.
O projeto, realizado em colaboração com o pesquisador José Dalton Cruz Pessoa, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), foi desenvolvido no trabalho de mestrado de Mário Augusto Pazoti no ICMC.(USP)