Notícia

JC e-mail

Vírus acirra a arteriosclerose

Publicado em 30 maio 2007

Cientistas italianos comprovam papel central da infecção por citomegalovírus na patogênese da arteriosclerose. Mecanismo está ligado ao sistema auto-imune

A infecção por citomegalovírus tem um papel fundamental no mecanismo pelo qual se origina a arteriosclerose, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Verona e do Instituto Gaslini de Gênova, ambos na Itália.
A pesquisa, publicada na PloS One, da Public Library of Science, confirmou a relação entre a arteriosclerose e a infecção por citomegalovírus, que pertence à família do herpes-vírus, a mesma dos vírus da catapora, herpes simples, herpes genital e do herpes-zóster.
A arteriosclerose é uma das principais causas de morbidade e mortalidade em todo o mundo. Além de influência genética, sua patogênese está ligada a fatores de risco clássicos, como tabagismo, diabetes, hipertensão e altos níveis de colesterol.
No entanto, eventos cardiovasculares agudos também podem ocorrer sem nenhuma presença dos fatores de risco. Recentemente, foi demonstrado que agentes inflamatórios e infecciosos também têm um papel importante no desencadeamento de eventos cardiovasculares agudos.
O grupo liderado por Roberto Corrocher e Claudio Lunardi, da Universidade de Verona, e por Antonio Puccetti, do Instituto Gaslini, já havia demonstrado que a infecção por citomegalovírus poderia ser responsável pelas lesões vasculares iniciais típicas do processo de arteriosclerose.
O mecanismo envolvido na lesão vascular é de origem auto-imune: anticorpos direcionados contra proteínas específicas do vírus são capazes de agarrar moléculas expressas na superfície das células que se alinham às paredes arteriais (céulas endoteliais) e causam sua morte por meio do mecanismo conhecido como "mímica molecular".
Utilizando uma técnica biocomputacional, os novos estudos mostram que os mesmos anticorpos contra o citomegalovírus, isolados em pacientes com doenças arteriais coronárias, são capazes de induzir a ativação não apenas dos genes envolvidos na morte celular, mas também de vários outros genes que codificam proteínas ligadas a diferentes aspectos do processo de arteriosclerose.
O estudo destaca que uma dessas proteínas é especialmente importante por causa de sua capacidade de ativar células do sistema imune inato envolvido na fase inicial da doença.
O trabalho feito na Itália confirma que anticorpos direcionados contra proteínas derivadas do citomegalovírus — purificados a partir de pacientes com doença arterial coronária — induzem danos nas células endoteliais e sustenta a hipótese de que a infecção viral tem um papel crucial na mediação do processo da arteriosclerose.
A descoberta, de acordo com os autores, deverá contribuir para o futuro desenvolvimento de estratégias terapêuticas e preventivas.
O artigo Endothelial cells' activation and apoptosis induced by a subset of antibodies against human cytomegalovirus: relevance to the pathogenesis of atherosclerosis pode ser lido em http://www.plosone.org.

(Agência Fapesp, 30/5)