Notícia

Ambrosia

Victor Kinjo lança “Vem pro Rio” e promove imersão criativa da nascente à foz do Tietê

Publicado em 05 outubro 2021

“O rio Tietê nasce límpido e cristalino no topo da Serra do Mar / Corre mais de mil e cem quilômetros, por todo o Estado de São Paulo, até desaguar no rio Paraná / Olhe para o rio da sua cidade e veja um espelho da sociedade / Brasil, riqueza, pobreza, moradias precárias para um povo trabalhador, lutador / Herdeiro de feridas da injustiça social, racial e colonial / Se estamos aqui hoje é porque existem rios acima, abaixo e dentro de nós”

São esses alguns dos versos que compõem “VEM PRO RIO”, novíssimo single do cantor paulistano e doutor em Ciências Sociais Victor Kinjo. Lançamento da YB Music esquenta para o próximo disco do artista e nos convida a olhar afetivamente para as águas que nos cercam.

“Faço um convite à escuta: o que os rios estão dizendo para nós? O que a natureza está dizendo que os motores dos carros quase não nos deixam ouvir? Canto para os rios do mundo. Nas nossas florestas, cidades, aldeias. Dessa macrometrópole que é São Paulo. Os rios refletem muitas histórias. E estão pedindo socorro”.

A sonoridade traz influências da MPB, maculelê/funk incorporados com o cantar falado que se inspira em Caetano Veloso. A produção musical é assinada por Kastrup, João Antunes e Ivan Banho, co-autor da canção.

Para narrar visualmente o novo trabalho, Kinjo e equipe registram uma imersão criativa da nascente à foz do Tietê, testemunhando seus caminhos de degradação e resiliência, que atinge altos índices de poluição, passando depois por um lento processo de autodepuração até o rio Paraná, na fronteira com o Mato Grosso do Sul.

Num esforço coletivo para viabilizar o videoclipe, sob a direção de André Souza, somam-se à causa moradores das diversas cidades por onde o rio passa, Fundação SOS Mata Atlântica, a ONG Mãe Natureza, o projeto Pimp My Carroça, o Projeto Macroamb/FAPESP, o Grupo de Estudos em Governança Ambiental da USP, o Instituto Navega SP, a produtora cultural Água Viva Cultura e a produtora audiovisual Cinedelia, reconhecida por filmes e videoclipes como Belo Monte, A Lei da Água: Novo Código Florestal e Demarcação Já.

“Acho importante destacar que nesse momento de conflito e divisão, em que temos um governo anti-ambientalista, autoritário e irresponsável, e um contexto insustentavelmente violento e polarizado no Brasil e no mundo, as águas são símbolo de nossa possível união. Encontrar-se com o rio sujo de sua própria cidade em meio a uma crise hídrica e emergência climática, pode ser chocante, mas é nossa urgente realidade. Quero somar com movimentos que valorizam a dimensão cultural dos chamados serviços ecossistêmicos das águas, ou seja, a relação ética, estética, afetiva e espiritual com a natureza. ‘VEM PRO RIO’ é um chamado literal para que a nossa geração retome essa luta e faça a sua parte para a regeneração dos rios”, finaliza o cantor.

SOBRE VICTOR KINJO:

Victor Kinjo é cantor, compositor e pesquisador paulistano de origem Uchinanchu (um dos povos indígenas do Japão). Indicado ao Prêmio da Música Brasileira 2018 como Melhor Cantor (Regional).

Em 2017, lançou seu primeiro disco “KINJO”, com participação de Lenna Bahule, e em 2019, o single “Flores para o Coração da Gente”, ambos pelo selo Matraca/YB Music. Em 2020, lançou seu primeiro livro “Quem são Mishimas?”, pela Editora Autêntica. Em 2021, apresentou a canção “Carne e Coragem”, em parceria com Guilherme Kafé e Ana Flor Carvalho, e prepara-se para o lançamento de seu segundo disco Terráqueos.

Apresentou-se em festivais, centros culturais e universidades de diversas cidades do Brasil, Japão, EUA e Europa.

O artista é também doutor em Ciências Sociais pela Unicamp e pesquisador pós-doutor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, com projeto sobre cultura e regeneração de rios em São Paulo e outras metrópoles do mundo.