Notícia

Jornal do Brasil online

Via Láctea está envolta em halo de gás quente

Publicado em 26 setembro 2012

Um estudo feito por um grupo internacional de astrônomos encontrou evidências de que a Via Láctea está envolta por um enorme halo de gás quente.

A formação se estende por centenas de milhares de anos-luz e tem massa comparável com a soma das massas de todas as estrelas da galáxia. O estudo foi conduzido a partir de observações feitas por meio do Chandra, o observatório de raios X da Nasa, a agência espacial norte-americana.

Se a dimensão e a massa do halo de gás forem confirmadas, isso poderá resultar em uma explicação para o problema conhecido como “bárions perdidos da galáxia”.

Bárions são partículas, tais como prótons e nêutrons, que compõem mais de 99,9% de toda a massa de átomos existente no Universo. Medidas de halos de gases e de galáxias extremamente distantes indicaram que a matéria bariônica presente quando o Universo tinha apenas 4 ou 5 bilhões de anos representava cerca de um sexto da massa e da densidade da matéria não observável – também chamada de matéria escura.

Um censo feito recentemente estimou o total de bárions presente nas estrelas e gases na Via Láctea e em galáxias vizinhas. O resultado apontou que pelo menos metade dos bárions simplesmente não estava presente.

Estudos recentes indicaram que a Via Láctea e suas vizinhas estão envoltas em gases com temperaturas que variam aproximadamente entre 100.000 e 1 milhão de graus celsius. O novo estudo sugere que o halo em torno da Via Láctea pode ter até 2,5 milhões de graus – centenas de vezes mais quente do que a superfície do Sol.

Os cientistas também concluíram que a massa de gás do halo é equivalente à massa de mais de 10 bilhões de vezes a do Sol. E pode ser ainda maior, chegando a 60 bilhões de vezes a do Sol.

A pesquisa feita por Anjali Gupta, da Ohio State University, nos Estados Unidos, e colegas aponta uma possibilidade para a dúvida de onde foram parar os bárions perdidos na Via Láctea: eles estariam escondidos no halo que envolve a galáxia.

E a densidade estimada do halo é tão pequena que halos em outras galáxias podem ter escapado das observações dos astrônomos até hoje. O estudo foi publicado no periódico The Astrophysical Journal

Lançado em 1999, o Chandra é um dos quatro Grandes Observatórios da Nasa, ao lado do Hubble, do Compton (de raios gama) e do telescópio espacial Spitzer.

Fonte: Agência Fapesp