Notícia

Gazeta Mercantil

VeriSign sugere domínio da web como presente de Natal

Publicado em 29 novembro 2005

Por Carlos Eduardo Valim

Com atuação em mercados como o de certificação digital e serviços para operadoras de telecomunicações, a americana VeriSign pretende incentivar um novo modelo de presente barato e criativo para as festas de fim de ano: um domínio de internet.
O domínio é o endereço das páginas da web, a frase (normalmente seguindo o modelo www.nome.com) digitada para se chegar a um site. Mas nem todos sabem que, para possuir um site próprio, além dos blogs (ligados a domínios de empresas de blogs), não é necessário ser uma empresa ou instituição.
Estabelecida no Brasil desde o início deste ano, a VeriSign tem concessão exclusiva para a venda e o controle de todos os sites terminados em .com e .net. Também todos os e-mails com essas terminações passam pelos servidores da empresa. Existem 46,7 milhões de sites .com e .net em todo o mundo. Cerca de 46% dos 85,6 milhões de sites terminam em .com, e mais 7%, em .net. No Brasil, os domínios estão em 116 mil páginas, mas 85% delas são .br (como .com.br ou .gov.br), controlados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).
Desde agosto a VeriSign tem realizado campanhas para a divulgação no Brasil da venda de domínios. "Não costumamos fazer marketing desses serviços, mas percebemos essa necessidade no Brasil", afirma a gerente de marketing e estratégia de negócios para a América Latina da divisão de serviços da informação, Erica Saito. "A distribuição de domínios cresce a taxas de 30% ao ano e a América Latina é a região de aumento mais rápido."
Os domínios podem ser adquiridos por qualquer pessoa interessada, por meio de algum distribuidor, a um preço mínimo de R$ 30 anuais. A concessão de distribuição, como a da VeriSign, exige que as vendas sejam feitas de forma indireta, para não constituir monopólio, e esses distribuidores têm liberdade para estabelecer seus preços. Os domínios .br são mais restritos. A Fapesp exige comprovação de CNPJ para dar um .com.br.
Uma das prioridades da VeriSign no Brasil é fechar parcerias locais. O seu primeiro distribuidor brasileiro é a Numer.com, mas há conversações com empresas de hospedagem de sites e provedores de acesso à internet.
Se alguém deseja possuir também um e-mail com domínio próprio pode adquiri-lo junto com a compra de um site. "Há pequenos empresários ou profissionais liberais que usam e-mails de provedores ou até mesmo de webmail, mas isso não inspira confiabilidade. Exibir um e-mail próprio mostra profissionalismo aos clientes", defende.
A responsável pela oferta de concessões é a Corporação para Atribuição de Nomes e Números na Internet (Icann), órgão americano. Por receber influência do governo dos Estados Unidos, o Icann foi motivo de muitos debates durante a Cúpula da Sociedade da Informação, realizada em Túnis, capital da Tunísia, neste mês.
A recomendação da conferência foi manter o controle na instituição, mas incluir representantes de governos e sociedade civil de diversos países.
A insatisfação com a Icann levou a holandesa UnifiedRoot a anunciar na semana passada um sistema para dar quase completa flexibilidade, fugindo dos padrões (.com, .info, .edu). O primeiro cliente é o aeroporto holandês de Schiphol, para criar sites como vôos.schiphol. Se a moda dos domínios alternativos pegar, novas regras podem ser criadas, que por enquanto serão reconhecidas por pequeno número de computadores.