Notícia

O Tempo

Venenos podem originar novos medicamentos

Publicado em 03 março 2012

São Paulo. As toxinas produzidas por animais venenosos contêm compostos que podem ser aproveitados no desenvolvimento de muitos fármacos e inseticidas. Mas é preciso desvendar suas estruturas moleculares, além de outros processos, até os testes clínicos.

Durante quatro anos, um grupo de pesquisadores se dedicou à identificação da estrutura de cerca de 200 peptídeos - moléculas ligadas por aminoácidos - e proteínas, além de 140 pequenas moléculas presentes no veneno de diferentes grupos de aranhas, vespas e artrópodes venenosos do Brasil.

O projeto temático "Procura de Compostos Líderes para o Desenvolvimento Racional de Novos Fármacos e Pesticidas a Partir da Bioprospecção da Fauna de Artrópodes Brasileiros" é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp) e coordenado por Mario Sergio Palma, professor do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Rio Claro (SP).

Os cientistas aprofundaram estudos dos mecanismos de ação das toxinas.

"Trabalhamos, por exemplo, com dois tipos de aranhas. A composição dos venenos de cada uma é muito diferente, já que são utilizados com finalidades e estratégias distintas", disse Palma à Agência Fapesp. Os resultados do estudo, segundo ele, foram muito positivos e originaram dez teses de doutorado e 13 dissertações de mestrado.