Notícia

Diário de S.Paulo

Veneno de serpente combate a pressão alta durante a gestão

Publicado em 16 janeiro 2008

Santa jararaca! Foi no veneno desta serpente que pesquisadores brasileiros encontraram uma forma de combater a pressão alta em gestantes. A descoberta é muito animadora, já que a doença ainda não tem cura. Chamada de pré-eclâmpsia, a pressão alta na gravidez é diferente da doença em outros momentos da vida, sendo que sua origem ainda não é bem compreendida.

Atualmente, resta aos médicos combater os sintomas da doença com medicamentos convencionais. Mas isso nem sempre apresenta bons resulta dos. Para se ter uma idéia, 30% das mulheres doentes acabam morrendo. E 10% das gestantes têm pré-eclâmpsia, segundo o Conselho Brasileiro de Cardiopatia e Gravidez. Isso significa que a descoberta pode beneficiar cerca de 320 mil mulheres por ano.

Além da pressão arterial al ta, a pré-eclâmpsia se caracteriza pela retenção de líquidos (edema) e pela presença de pro teína na urina, podendo evoluir para um quadro de convulsão e coma. A pré-eclâmpsia precisa ser diagnosticada e tratada de forma rápida, durante o pré-natal, já que pode restringir de maneira severa o fluxo de sangue para a placenta, prejudicando o feto.

Essa realidade deve durar mais alguns anos, já que a pesquisa precisa de tempo para avançar. Já foram quatro anos, mas ainda serão precisos alguns outros para se chegar a um medicamento. A bioquímica Claudiana Lameu, uma das coordenadoras do estudo, estima que levará dois anos para se fazer testes em humanos. Até o momento são realizados apenas testes em ratos.

Uma molécula presente no veneno da jararaca foi isolada e usada para tratar a doença. Ela auxilia a liberação de óxido nítrico e relaxa os vasos sanguíneos. Embora os resultados tenham sido animadores, os efeitos colaterais ainda não foram completamente listados. Esta é a próxima etapa do trabalho.

O estudo é conduzido Centro de Toxinologia Aplicada, que fica no Instituto Butantan, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).