Notícia

O Vale

Vale integra projeto que vai tentar desvendar 'mistérios do universo'

Publicado em 14 janeiro 2020

O Vale do Paraíba integra projeto pioneiro que irá construir um imenso radiotelescópio no Brasil que fará uma espécie de "tomografia" do Universo, para desvendar mistérios como a energia escura e a origem de tudo.

 

 

Medindo quase um campo de futebol, o Bingo (sigla de Baryon Acoustic Oscillations in Neutral Gas Observations, ou Oscilações Acústicas de Bárions em Observações de Gases Neutros) pretende ser o primeiro radiotelescópio a detectar, por rádio, ondas da interação entre átomos e radiação no início do Universo.

Um dos líderes do projeto é Carlos Alexandre Wuensche de Souza, da Divisão de Astrofísica do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Além do cientista e de outros pesquisadores do Inpe, o projeto conta com a participação de empresas de São José dos Campos ligadas ao projeto espacial brasileiro. Elas atuarão na construção do aparelho, que também contará com tecnologias de fora do país.

O Bingo será construído por um consórcio de entidades brasileiras e estrangeiras, com liderança de cientistas de universidades e entidades de pesquisa do Brasil e cooperação de instituições do Reino Unido, China, Suíça e África do Sul, entre outros países.

A maior parte da construção é financiada pela Fapesp (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo), o que evitou que o projeto fosse afetado pelos cortes do governo federal na área da ciência.

O Bingo começou a ser projetado em 2016 e a construção deve ser iniciada em 2020. A previsão é que o radiotelescópio opere em 2022.

"Vamos fazer uma espécie de tomografia do Universo que vai olhar a distribuição do hidrogênio. Tentaremos entender mais o processo de como a energia escura atua na dinâmica do Universo", disse Souza ao blog 'Tilt', do Portal UOL.

Bingo será instalado na Serra do Urubu, na Paraíba, longe de metrópoles e fontes de poluição eletromagnética.

Cientistas esperam 'grande avanço' nas ciências astronômicas com radiotelescópio

O radiotelescópio deverá detectar e analisar rastros de hidrogênio neutro --combinação de um elétron e um próton-- no Universo. A meta é entender elementos que ainda intrigam cientistas, como a energia escura, e permitir um grande avanço astronômico nacional e internacional.

"Contamos com a contribuição de nossos parceiros internacionais, especialmente as dos pesquisadores do Reino Unido, mas a maior parte da tecnologia para a construção está sendo desenvolvida aqui no Brasil", disse Carlos Alexandre Wuensche de Souza, do Inpe.

A construção da estrutura, dos receptores e das antenas parabólicas é de responsabilidade da equipe brasileira, com participação de empresas de São José dos Campos.