Notícia

Diário da Amazônia

Vale a qualidade

Publicado em 28 agosto 2018

Muito natural a programação de fala do consagrado pesquisador estadunidense Thomas Lovejoy abrindo a oficina “As dimensões científicas, sociais e econômicas do desenvolvimento da Amazônia”, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), evento organizado em cooperação com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo e Wilson Center.

Nem só pelo pioneirismo no emprego de conceitos hoje utilizados largamente, como “biodiversidade” e suas variações, só o fato de ter estado pela primeira vez na região em 1965 e conhecê-la bem melhor do que muitos brasileiros nascidos antes e depois desse ano, o que falta em muitos candidatos a todos os postos eletivos no pleito deste ano sobra nesse cientista: conhecimento do terreno e fartura de propostas resolutivas.

Há um nacionalismo tacanho que rejeita os ambientalistas estrangeiros como se fossem oportunistas gananciosos e inimigos da Pátria, quando, noves fora, é o nacionalismo arrogante que trai a região ao desqualificar os conceitos, a importância e a contribuição teórica e prática de quem se dedica à pesquisa, elementos Lovejoy encarna como ninguém. Para ele, a Amazônia é a maior biblioteca de diversidade natural do mundo.