Notícia

Nas Notícias

Vacina de Oxford passa na primeira fase de testes em pessoas

Publicado em 22 julho 2020

As fórmulas têm se mostrado capazes de induzir políticas contrárias ao coronavírus.

AZD1222, candidata à vacina oposta ao Covid-19, apresentou anúncios leclassificados positivos na primeira fase de ensaios clínicos. De acordo com a revista médica The Lancet em 20 de julho, as fórmulas, preparadas através da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e evoluídas através da maçã farmacêutica britânica AstraZeneca, ativaram a produção de anticorpos e células de defesa. A proteção antivírus foi consistente com uma duração de cinco6 dias e não teve efeitos de aparência aplicáveis aos 1077 adultos americanos saudáveis de 18 a 5 anos que participaram do estudo. Anúncios classificados classificam que fórmulas podem ser usadas para salvar sua infecção se testes de longo prazo, para serem consistentes com os formados no Brasil e na África do Sul, que desmontem essas tendências pró-consistentes.

Aleven, embora nunca se saiba qual ponto de anticorpos é necessário em oposição ao Sars-CoV-2, que motiva o Covid-19, e que o estudo não envolveu outros americanos com mais de 60 anos, que compõem a principal organização em risco de infecção, esta vacina candidata “acaba por agir exatamente como pensamos”, comentou a imunologista Sarah Gilbert, do Instituto Jenner, em Oxford. , que participou do trabalho, para as notícias britânicas de acordo com o Guardian.

“O resultado do teste de fase 1/2 da vacina de Oxford é tão sábio quanto o esperado e incorpora o uso anterior de vetor [um adenovírus] como uma plataforma geral de vacinas”, comentou o virologista Ian Jones, da Universidade de Reading. , no site da Science Media Cinput. O virologista Jonathan Ball, da Universidade de Nottingham, disse: “Embora seja encorajador, ainda há um longo caminho a percorrer antes que uma vacina contra coronavírus seja anunciada.”

Artigo científico FOLEGATTI, P. M. et al. Segurança e imunogenitown da vacina ChAdOx1 nCoV-1nine em frente ao Sars-CoV-2: um relatório inicial de um ensaio randomizado randomizado randomizado de fase 1/2 em pessoas cegas solteiras. Lancet. Online. 20 de julho de 2020.

A publicação deste relatório em mídia virtual é legal sob a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. O cumprimento da política de reeduque virtual da FAPESP, aqui especificada, é obrigatório. Em suma, o texto não será editado e a paternidade deve ser atribuída, além da fonte (Pesquisa FAPESP). O uso do botão HTML permite que você atenda a esses critérios. Se apenas o texto for reproduzido, consulte a política de republicamento virtual.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Biblioteca FMUSP