Notícia

O Dia Mais

Vacina contra o HPV pode evitar 250 mil mortes

Publicado em 14 março 2018

O Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira (13), uma campanha de vacinação contra o HPV (Papiloma Vírus Humano). A ação visa atingir 10 milhões de meninas entre 9 e 14 anos e meninos entre 11 e 14 anos. A vacina já fazia parte do calendário obrigatório do Programa Nacional de Imunizações do Sistema Único de Saúde e seu alcance deve ser expandido até 2020, para ampliar a cobertura vacinal.

A preocupação é decorrente de um estudo apresentado em que a prevalência do vírus excede os 54% dos jovens brasileiros, entre 16 e 25 anos. A gravidade do vírus, motivou a pesquisadora Dra. Luisa Lina Vila a elaborar um amplo estudo que mediu a resposta imunológica de 500 adolescentes vacinados contra o HPV. O estudo foi reconhecido com o terceiro lugar no Prêmio Péter Murányi 2018, que será entregue no mês de abril.

A pesquisadora foi uma das responsáveis pelo primeiro estudo clínico que comprovou a eficácia da vacina no combate contra alguns tipos de cânceres. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacina contra o HPV poderia evitar a morte de mais de 250 mil mulheres, por ano, diagnosticadas com câncer de colo de útero. E no Brasil, estima-se que ocorram 16 mil casos de câncer de colo de útero por ano, com 5 mil óbitos, de acordo com o Ministério da Saúde.

O Governo brasileiro também destaca que mais de 90% dos casos de câncer anal e 63% dos casos de tumores de pênis estão relacionados ao HPV. Presidente da Fundação Péter Murányi, organizadora da premiação, Vera Murányi Kiss avalia a importância de iniciativas como a realizada pela Dra. Luisa Lina para conter o avanço de doenças que podem colocar em risco a vida das populações mais jovens. “Estudos como o conduzido pela Dra. Luisa deixam claro o compromisso dos pesquisadores brasileiro em garantir o bem-estar das atuais e futuras gerações.

O trabalho conduzido por ela também reforçou a participação da mulher na Ciência, além de projetar o alcance e a importância dos estudos clínicos produzidos em nosso país”, ressalta. Indicada pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e coordenada pela pesquisadora, a análise integrou levantamentos com voluntárias residentes em nações como Estados Unidos, Finlândia, Noruega e Suécia.