Notícia

Jornal da USP online

Vacina contra gripe pode ajudar na prevenção da pneumonia

Publicado em 01 novembro 2018

download do áudio

Uma pessoa infectada com vírus da gripe está mais propensa a desenvolver uma pneumonia – infecção pela bactéria pneumococo – do que aquela que não contraiu a gripe. A conclusão é de um estudo realizado pelo Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias (CRID) da USP, financiado pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Faculdade de Medicina Tropical de Liverpool (Reino Unido). Os pesquisadores ressaltam a importância da pesquisa para que se possa pensar em estratégias de tratamento e prevenção da pneumonia.

O pesquisador e professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP e do Inova USP, novo centro de pesquisa da Universidade, Helder Nakaya, explica que esse estudo vem sendo realizado há mais de dois anos, ao longo dos quais foram analisados diversos dados e casos. Ele diz que a relação entre gripe e pneumonia é bem conhecida entre clínicos e epidemiologistas, no entanto, estudar o processo era uma tarefa difícil. Esse estudo, realizado pelo CRID, permitiu caracterizar, através de mecanismos moleculares, todos os eventos do processo, desde a infecção viral da gripe até a colonização bacteriana do pulmão que leva à pneumonia, passando pela fragilização do sistema imunológico do indivíduo.

Helder conta que, entre as conclusões dessa pesquisa, está a comprovação de que, ao vacinar-se contra a gripe, protege-se contra a pneumonia por consequência. Desse modo, a vacinação contra a influenza é necessária como complementar da vacina contra pneumococos, que faz parte da carteira de vacinação básica e previne a pneumonia especificamente. Ele acrescenta, por fim, que a vacina da gripe protege contra outros três ou quatro vírus causadores da doença, entretanto, por vezes a prevenção não funciona da maneira esperada. Isso se dá pelo fato de o vírus que está circulando no corpo da pessoa ser outro que não o presente na vacina, e por isso é importante o reforço anual.

Por fim, o professor diz que a pesquisa gerou tantos dados e novas hipóteses, que elas serão seguidas em novos estudos, como teses de doutorado e dissertações de mestrado. Na Faculdade de Medicina Tropical de Liverpool, será analisado o processo contrário agora, conta o pesquisador: o hospedeiro será, primeiro, infectado com a bactéria, e depois com o vírus da gripe para ver os desdobramentos e reação entre os patógenos. Esses dados serão, também, recebidos pela FCF, e abrem caminhos para pensar em tratamentos terapêuticos e novas drogas.