Notícia

Rádio Mais Alegria AM 1060

Vacina brasileira em spray nasal entra com pedido para testes

Publicado em 23 outubro 2021

Por Ana Bottallo | Folha de S.Paulo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma vacina contra a Covid na forma de spray nasal deve avançar para testes em humanos nos próximos meses, caso a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) dê o aval para início dos ensaios.

A chamada fase 1/2 irá avaliar a toxicidade e imunogenicidade (capacidade de induzir resposta protetora) da vacina em indivíduos que já receberam as duas doses da AstraZeneca. Caso tenha sucesso nessa etapa, que deve durar de dois a três meses, o ensaio clínico de fase 3 irá avaliar a eficácia do imunizante contra a infecção pelo Sars-CoV-2.

Caso tenha sucesso nos testes, a ideia é que a vacina em formulação intranasal –isto é, sem a necessidade de agulhas– seja utilizada como dose de reforço contra Covid. Ela deverá ser produzida com IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) totalmente nacional.

A pesquisa brasileira é coordenada pelo professor e chefe do Laboratório de Imunologia Clínica e Alergia do Hospital das Clínicas da USP, Jorge Kalil. Conta, ainda, com a participação de pesquisadores do InCor (Instituto do Coração), do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, da Unifesp, da Fiocruz Minas e da Rede Vírus.

O projeto é apoiado ainda pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo) e recebeu financiamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, por meio da parceria com a Rede Vírus.

Nos ensaios pré-clínicos, em camundongos, a vacina induziu a produção de anticorpos neutralizantes. Para os testes em humanos, Kalil explica que serão recrutados cerca de 270 voluntários com idade de 18 a 59 anos, dos quais 180 irão receber a vacina e 90, placebo. A ideia é avaliar a performance da vacina quando dada em uma única dose ou em duas doses e em diferentes dosagens.

Nesta etapa, o grupo que vai receber o imunizante será dividido em dois, um que irá receber uma dose de vacina mais uma dose de placebo 21 dias depois e outro que receberá as duas doses da vacina em um intervalo de 21 dias. Em cada um dos grupos os participantes serão divididos em três conjuntos com dosagens diferentes: 30µg, 60µg e 120µg. A ideia é observar qual a formulação mais segura e qual vai gerar a melhor resposta imune tanto humoral (anticorpos) quanto celular.

A vacina em spray nasal pode ainda trazer mais uma vantagem graças a sua ação já na mucosa do nariz e das vias respiratórias. Nos testes em laboratórios, ela induziu a produção de anticorpos do tipo IgG (de memória) e IgA (os primeiros a surgirem frente a uma infecção) específicos contra o coronavírus no nariz, na saliva e nos pulmões.

Com isso, o corpo pode reconhecer a vacina já na entrada do organismo (nariz e boca) e começar a proteção, gerando uma resposta protetora mais ágil.

Se for bem-sucedida nos testes e aprovada, a vacina será a primeira no país formulada a partir de proteínas do vírus e apresentadas em nanopartículas.

"O primeiro passo da nossa pesquisa foi identificar a indução de anticorpos neutralizantes nos camundongos específicos contra o Sars-CoV-2. Já a segunda etapa foi a busca pelos epítopos [a região da proteína do vírus que melhor é reconhecida pelos anticorpos para ligação], que seriam as estruturas da RBD [região de ligação com o receptor] que melhor focalizam a resposta imune", explica Kalil.

Por utilizar proteínas do vírus, e não o genoma ou o próprio vírus inativado inteiro, a vacina pode ser facilmente atualizada para incorporar as variantes em circulação ou que surgirem.

A expectativa é que a análise do dossiê pela Anvisa retorne com algumas modificações, como é natural do processo. Mesmo assim, se tudo correr no tempo esperado, é possível encerrar os ensaios clínicos até o final do primeiro semestre de 2022.

"Como vamos avaliar a vacina em pessoas vacinadas, os ensaios devem correr mais rapidamente", afirma o médico. Depois da etapa em adultos, a equipe pretende solicitar um teste em crianças. "Essa formulação será ideal para a revacinação, se ela for necessária, no grupo pediátrico", diz.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
TV Cultura Folha.com O Estado (MS) O Globo online O Globo online O Estado (CE) online Folha de Pernambuco online Folha de S. Paulo Jornal Cidade - Rio Claro Rede Guma Cidade Revista Jornal da Cidade (Bauru, SP) online Blog do Badiinho Cariri em Ação Vale do Piancó Noticias Blog do Taturana Amazonas Atual Jornal Opção (Goiânia, GO) online Blog do Flavio Galdino Muzambinho.com Correio do Ar Press From Brasil (EUA) Rádio Sanca WEB TV APM- Associação Paulista de Medicina Yahoo! Vida e Estilo Rádio Mais FM Educativa Marechal online Canabrava 104.9 FM Cidade Verde O Tempo online Super Notícia 91,7 FM Press From Brasil (EUA) Poder360 Portal Gongogi Simões Online Catve MSN (Brasil) Midia News O Hoje (Goiânia, GO) online Rádio Nova Onda FM 87,9 Rádio Cidade Nova FM 104,9 Pequi FM 87,5 Rádio Nova Aliança FM 105,9 Notícias ao Minuto (Brasil) Central Brasil Notícias Imbaú FM 87,9 Rádio Cultura FM 101,7 Rádio Sat Peruíbe FM 87,9 Rádio Liberdade FM 87,9 Blog Edenevaldo Alves Info na VWeb Blog da Simone Duarte Roberto Crispim Salto del Guairá al Día (Paraguai) O Tempo Mega Cidade Cacimbinha News ClickNews Portal Paraíba Todo Dia Jornal Cidade (Barreiras, BA) online Ingá Cidadã PHB Webcidade Radar Amazônico Verde Vale FM 103,7 Portal Onda Sul Dikajob Santa Portal Midia News Agenda Bafafá Rio Paraná Portal ClickPB Jornal do Tocantins online Tribuna do Cricaré online Mais Goiás Folha de Londrina online O Otimista online Portal do Holanda Sagres Online DL News Mix Vale Yahoo! Finanças Yahoo! Vida e Estilo Jornal de Brasília online O Popular (Piracicaba, SP) online