Notícia

Jornal do Commercio (RJ)

Vaca mecânica dá leite e sanduíche

Publicado em 03 outubro 2005

Um equipamento capaz de suprir quase metade das necessidades protéicas diárias de uma criança foi desenvolvido na Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Nomeada de "vaca mecânica", a máquina consegue produzir leite e hambúrger, ambos de soja.
A invenção, segundo Roberto Moretti, professor da FEA e responsável pelo trabalho, pode ser útil para a produção de ingredientes de um "kit merenda". O pacote, para suprir as necessidades nutritivas de uma criança com até 40 quilos deve ter ainda um pão francês. Como esse a vaca não produz, é preciso recorrer à padaria.
De acordo com Moretti, 3,75 quilos de soja produzem 30 litros de leite, ou 150 copos por hora. O resíduo do processo pode ser utilizado para fazer 150 hambúrgueres de 90 gramas cada. Incluído um pãozinho de 50 gramas, cada kit fornece 27,2 gramas de proteína e 480 calorias. "Esses valores são suficientes para suprir 42,5% das necessidades diárias de uma criança", diz Moretti.
Outra vantagem está na origem da matéria-prima. "A soja é abundante em qualquer região do Brasil. Na "vaca mecânica", ela funciona como o leite em pó convencional. Basta diluir água para obter o leite de soja. A diferença é que a soja tem 40% de proteína, enquanto a mesma quantidade de leite em pó tem 36%", explica o pesquisador.
A vaca mecânica foi montada com peças de eletrodomésticos, como liquidificador e centrífuga de alimentos, e tanques de aço inoxidável. Com pequenas adaptações, o pesquisador conseguiu produzir o kit merenda a um custo de R$ 0,23 a unidade.
Na vaca, os grãos de soja são triturados com água fervente. Em seguida, a mistura é levada à centrífuga para que seja processada e a parte líquida separada da sólida. Enquanto o leite é submetido a um tratamento térmico para melhorar o cheiro e o sabor da soja, o resíduo sólido é despejado num misturador, onde recebe farinha de trigo, proteína texturizada de soja, sal, corante e temperos. "Também é possível fazer croquetes, coxinhas ou quibes, para as crianças não enjoarem dos hambúrgueres", explica Moretti.
Para oferecer uma dieta balanceada a seus alunos, conta o professor da Unicamp, as instituiçôes de ensino precisam dispor de uma sala com 50 metros quadrados para abrigar a vaca mecânica, além de uma chapa para grelhar os hambúrgueres. O investimento estimado para montar o equipamento é de R$ 22 mil.
O custo, segundo o pesquisador, pode ser recuperado em pouco tempo. Cada máquina é capaz de produzir 1,2 mil kits a cada oito horas de operação. "Com a vaca mecânica, é possível economizar nas merendas e ainda produzir um alimento altamente nutritivo", afirma Moretti.
A primeira versão da vaca mecânica, que existe desde 1977, funciona em escolas de algumas cidades brasileiras produzindo leite de soja. Além de locais como Piracicaba e Nova Odessa, em São Paulo, ou Curitiba, no Paraná, o invento cruzou mares e chegou a Cuba e Angola.

Agência Fapesp