Notícia

São Carlos Agora

USP sobe 54º posições no ranking do The Times Higher Education

Publicado em 10 outubro 2011

USP foi classificada entre as 200 melhores universidades do mundo, segundo o ranking do Times Higher Education, divulgado no dia 5 de outubro. A USP ficou na 178ª posição, representando aumento de 54 posições em relação ao ano passado. A USP é a única universidade brasileira e latino-americana a figurar na classificação. Desde que o ranking foi criado, em 2004, não é a primeira vez que a Universidade fica na lista das 200 melhores do mundo: em 2005, ocupou a 196ª posição; em 2007, a 175ª e, em 2008, a 196ª classificação.

"A melhora significativa da USP em termos de posicionamento global e regional comprova que a grande maioria dos professores, funcionários técnico-administrativos e alunos está no caminho certo: preocupação crescente com  a qualidade do ensino, pesquisa e extensão dos serviços à comunidade; interdisciplinaridade; coesão; e ênfase na internacionalização", destaca o reitor da USP, João Grandino Rodas, com uma ressalva: "Sentimento do dever cumprido, sim! Soberba ou orgulho desmesurado, não! Resta ainda muito a ser alcançado", acrescenta.

O ranking britânico do Times Higher Education é um dos mais importantes rankings mundiais de universidades, desenvolvido em conjunto com a base de dados da Thomson Reuters. A avaliação é feita a partir de 13 indicadores, de acordo com cinco categorias - ambiente de ensino, inovação, internacionalização, pesquisa (volume, investimento e reputação) e citações (influência da pesquisa). De acordo com a publicação, foi a melhoria nestes dois últimos indicadores que contribuíram para o avanço significativo da USP na classificação deste ano.

"A USP é hoje responsável por 22% da produção científica do país. Contribuem para isso os recursos orçamentários do Governo de São Paulo para as universidades públicas paulistas, o apoio financeiro da FAPESP e de outras agências de fomento, a adoção de políticas afins voltadas para a valorização do mérito na progressão docente, a atenção permanente com a qualidade dos cursos de graduação e pós-graduação e a contrapartida das universidades aos projetos acadêmicos, com recursos próprios", avalia o pró-reitor de Pesquisa, Marco Antonio Zago.

Segundo ele, "o resultado consolida a posição de liderança da USP na América Latina, colocando-a ainda à frente das universidades de países europeus com importante tradição acadêmica, como Espanha e Itália".

A primeira da América Latina

Em outro ranking, a USP foi considerada a melhor universidade da América Latina. O QS World University Ranking avaliou e listou, pela primeira vez, as mais importantes instituições latino-americanas. Nessa classificação, foram considerados critérios como a produção científica do corpo docente, proporção de professores com doutorado, impacto das pesquisas na internet, citações, reputação acadêmica e no mercado de trabalho. Para a avaliação, também foram consultados acadêmicos e empregadores regionais.

Na classificação mundial do mesmo ranking, divulgada no primeiro semestre do ano, a USP registrou melhora significativa em relação à edição de 2010, com o aumento de 66 posições, passando a ocupar o 169º lugar. O QS World University Ranking é elaborado por uma empresa britânica de consultoria educacional, a Quacquarelli Symonds, e divulgado pelo site Top Universities.

"O avanço no posicionamento da Universidade nos rankings reflete, de maneira clara, a percepção da sociedade, em particular, da comunidade acadêmica mundial e das instituições que empregam os profissionais formados, sobre a qualidade da formação dos estudantes, bem como da pesquisa realizada, que se espelha nas publicações científicas. Tal percepção facilita a inserção da USP na relação acadêmica com universidades de grande prestígio e abre portas para os pesquisadores e estudantes da Universidade para o desenvolvimento de pesquisa em colaboração com os mais respeitados centros mundiais", ressalta o vice-reitor Executivo de Relações Internacionais da Universidade, Adnei Melges de Andrade.