Notícia

Folha de S. Paulo - Vale (São José dos Campos)

USP produz clones em escala comercial

Publicado em 11 abril 2005

Eles nasceram entre os dias 4 e 21 de março e passam bem. Três bezerros da raça Nelore foram apresentados ao público na última quinta-feira, na cidade de Tambaú, no interior de São Paulo. Os clones são os primeiros produzidos em escala comercial por uma parceria feita entre a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FZEA) da USP, campus de Pirassununga, e a empresa de biotecnologia Vitrogen.
Segundo o professor Flávio Meirelles, coordenador geral do projeto e do Laboratório de Morfofisiologia Molecular e Desenvolvimento da FZEA, existem ainda mais oito gestações em andamento dentro do mesmo projeto. "Quatro desses clones devem nascer até julho. A gestação dos demais vai até setembro", explicou em comunicado da Vitrogen. A parceria é fundamental, segundo o pesquisador, porque a universidade sozinha não teria condições de manter as gestações em larga escala.
Se do lado acadêmico o principal objetivo é avançar na geração do conhecimento, do lado empresarial a intenção da clonagem em escala é multiplicar o material genético de algum animal considerado excepcional. é a chamada busca pelo rebanho perfeito. No caso dos bezerros que nasceram em maio, eles foram clonados, por transferência nuclear, de um touro recordista na produção de sêmen no Brasil. O nome do animal não foi divulgado.
Segundo a Vitrogen, desde o nascimento da bezerra Independência, em setembro do ano passado o primeiro clone da parceria com a FZEA -, muitos de seus clientes encomendaram clones. Toda a parte científica desses nascimentos é de responsabilidade do grupo liderado por Meirelles.
No Brasil, a Embrapa foi a pioneira nessas pesquisas com clonagem animal. A bezerra Vitória, nascida em 2001, foi a primeira experiência feita no país com esse tipo de técnica. Os pesquisadores usaram o material genético retirado de um embrião de uma vaca Simental para a obtenção do clone.
(Fonte Agência Fapesp)