Notícia

Portal do Consumidor

USP lança manual de combate à violência doméstica

Publicado em 12 abril 2010

Com o objetivo de auxiliar na identificação de situações de violência física e sexual doméstica contra crianças e adolescentes de 6 a 16 anos, o Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP) lançou no mês passado o Inventário de Frases no Diagnóstico de Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes (IFVD).

Coordenado pela professora Leila Tardivo, o instrumento é composto de 57 frases de simples compreensão, que as crianças e adolescentes devem responder sim ou não. "Todas as frases foram elaboradas de um modo para que não fossem muito diretas para não constranger os participantes da pesquisa. Elas estão relacionadas aos transtornos que a violência traz, sejam emocionais, cognitivos, sociais ou físicos", explica Leila.

A ideia surgiu em 2001 quando a professora conheceu um grupo de psicólogos que tinham feito um inventário similar na Argentina. Com a ajuda da psicóloga argentina Rosa Colombo, o manual foi traduzido do espanhol para o português a partir de uma pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O manual também apresenta os resultados obtidos após a aplicação da pesquisa em um grupo de 1.010 crianças e adolescentes, sendo 503 com experiência de agressão doméstica comprovada e 507 sem essa suspeita.

Os tipos de violência mais encontrados foram: agressão física para o sexo masculino; e a sexual para o sexo feminino. Além disso, as crianças entre 10 e 11 anos são que mais sofreram casos de violência.

Para aplicar a pesquisa, a equipe de pesquisa visitou centros de atendimento, organizações não-governamentais e vítimas da violência doméstica. Todos os procedimentos foram seguidos criteriosamente para compor o grupo experimental de crianças e adolescentes que seriam entrevistados.

Segundo Leila, o quadro apresentado foi muito importante para mostrar que a situação brasileira é muito parecida com a Argentina, que estão de acordo com a situação mundial. "O instrumento não é uma salvação e nem um diagnóstico clínico e sim um meio para facilitar a descoberta da situação de violência", diz.

O IFVD foi publicado pela editora Vetor.