Notícia

Correio Popular

USP desenvolve salgadinho que combate anemia infantil

Publicado em 28 março 2004

Eles são os vilões da dieta saudável e seduzem a maior parte das crianças. Se é quase impossível banir os salgadinhos dos hábitos alimentares infantis, por que não criar um tipo nutritivo, capaz de combater a anemia por deficiência de ferro? Foi com essa preocupação que uma equipe de cientistas da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP) desenvolveu um salgadinho pobre em gordura e rico em ferro. Foram dez anos de acertos e erros até a equipe chegar ao produto final. Um salgadinho com textura, sabor e odor semelhantes aos convencionais. Os 9 miligramas de ferro em cada 100 gramas de salgadinho são garantidos graças a uma matéria-prima descartada no abate de bovinos - o pulmão. Depois de processado sob os mesmos padrões sanitários da carne que vai para os açougues, o pulmão bovino é submetido a etapas que eliminam sua gordura. Em seguida, é transformado numa espécie de farinha. O salgadinho fortificado contém 90% de milho e 10% de pulmão bovino. "O pulmão tem três vezes mais ferro do que o fígado bovino", diz o professor titular José Alfredo Gomes Arêas, coordenador do Grupo de Propriedades Funcionais de Alimentos da FSP-USP. O projeto da equipe é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O teor de gordura do produto desenvolvido pelo grupo também é menor do que o dos salgadinhos que existem no mercado. Arêas explica que foram desenvolvidas duas versões: uma com 10% de gordura e outra com zero. Salgadinhos comuns contêm 23% de gordura saturada. O salgadinho que saiu do laboratório da faculdade foi testado com sucesso em Teresina (PI). A nutricionista Regilda dos Reis Araújo, professora da Universidade Federal do Piauí, mediu a incidência de anemia em 260 crianças de 2 anos e meio a 7, em duas creches. Metade das crianças recebeu porções de 30 gramas do salgadinho, três vezes por semana, por dois meses. A outra metade não teve o produto incluído na merenda. Ao fim do período de uso do salgadinho, Regilda voltou a medir a incidência de anemia. Com aroma de bacon, o salgadinho foi bem aceito pelas crianças. Logo no primeiro mês, 95% delas comiam todo o pacote. No mês seguinte, a porcentagem aumentou para 99%. Pelos cálculos da equipe da FSP-USP, o custo adicional na produção do salgadinho fortificado em comparação ao convencional é de apenas R$ 0,09 para cada pacote de 30 gramas.