Notícia

Revista Museu

USP: CPC promove seminário sobre reconhecimento dos bens culturais

Publicado em 07 maio 2015

SÃO PAULO, São Paulo - Centro de Preservação Cultura da USP promove evento para discutir o reconhecimento de bens culturais a partir de experiências no Brasil e exterior, em três dias de seminário

O conceito de bens culturais abarca um universo em contínua expansão, voltando-se aos bens mais variados de um passado próximo a nós. Reconhecer um bem cultural não é um procedimento naturalizado, nem é algo imanente ao próprio bem: é uma construção histórico-social, atribuição de valor e de significado feita por grupos sociais num dado momento histórico, que deve ser feita a partir de método consistente, com os instrumentos desse próprio presente. No entanto, a esse merecido alargamento daquilo que pode ser considerado bem cultural não tem correspondido, na mesma medida, uma reflexão de método a respeito dos critérios de identificação desses mesmos bens culturais, ou seja, pouco se tem discutido sobre os instrumentos que deveriam guiar a escolha dos bens a serem inventariados. Apesar dos significativos esforços realizados nos últimos anos no Brasil, ainda falta alcançar maior equilíbrio nos métodos de reconhecimento e atribuição de significado a esses bens. Ademais, faltam instrumentos mais variados de acautelamento para os bens culturais, pois o tombamento continua a ser o principal instrumento legal de tutela.

Este seminário tem por intuito discutir as questões envolvidas com o reconhecimento de bens culturais, sistemas de registro e eventuais repercussões normativas de modo inter-relacionado. Estrão reunidos pesquisadores e representantes de instituições nacionais e internacionais para debater e oferecer contribuições através da contraposição de experiências brasileiras e estrangeiras, pontuando as diversas formas de aproximação entre distintas realidades culturais e examinando temas ainda pouco explorados na produção científica brasileira recente.

Participação internacional

Richard Klein (professor da École nationale supérieure d’architecture et de paysage de Lille, diretor do Laboratoire Conception, Territoire, Histoire - LACTH): Arquitetura moderna na França: perspectivas de reconhecimento e tutela.

Gabriela Lee (professora da Universidad Iberoamerica do México, coordenadora da Maestría en Proyectos para el Desarrollo Urbano da mesma Universidade): Patrimônio Urbano do México-DF: coincidências e disparidades no reconhecimento de áreas de valor patrimonial.

Antonella Negri (Ministero per i Beni e le Attività Culturali, Instituto Central para a catalogação): Catalogação de bens culturais: métodos, instrumentos e cooperação entre sistemas de informação para a gestão do conhecimento.

Programa
DIA 26 - MESA 1: O reconhecimento dos bens culturais e sua implicação nas práticas de preservação: experiências em confronto
13h30: Recepção
14h: Abertura: Profa. Dra. Maria Arminda do Nascimento Arruda (Pró-Reitora de Cultura e Extensão da USP), Profa. Dra. Mônica Junqueira de Camargo (Diretora do CPC-USP), Profa. Dra. Beatriz Mugayar Kühl (Vice-diretora do CPC-USP)
14h30: Richard Klein (École Nationale Supérieure d’Architecture et de Paysage de Lille, França): Arquitetura moderna na França: perspectivas de reconhecimento e tutela
15h30: Intervalo
16h: Marly Rodrigues (Memória Assessoria e Projetos): Proteção de bens culturais em São Paulo: concepções e práticas
17h: Gabriela Lee (Universidade Iberoamericana, México-DF): Patrimônio urbano do México-DF: Coincidências e disparidades no reconhecimento de áreas de valor patrimonial.
18h: Debate. Moderadora: Simone Scifoni (FFLCH-USP)
DIA 27 - MESA 2: Práticas de inventários arquitetônicos: métodos, desafios, perspectivas
14h: Antonella Negri (Istituto centrale per il catalogo e la documentazione, Ministero per i beni e attività Culturali, Itália): Catalogação de bens culturais: métodos, instrumentos e cooperação entre sistemas de informação para a gestão do conhecimento.
15h: José Rodrigues Cavalcanti Neto (IPHAN): O Sistema Integrado de Conhecimento e Gestão (SICG)
16h: Intervalo
16h30: Ana Paula Noé da Silva (Sistema de Informação para o Patrimônio Arquitetônico – SIPA, Portugal): A inventoriação do patrimônio arquitetônico em Portugal: o SIPA
17h30: Debate. Moderadora: Flavia Brito do Nascimento
DIA 28 - MESA 3: Propostas de documentação e inventário: a problematização de experiências
14h: Adda Ungaretti e Amanda W. Caporrino (Unidade de Preservação do Patrimônio Histórico - Secretaria de Estado da Cultura): O inventário dos centros de tratamento de hanseníase em São Paulo e as propostas de tombamento.
15h: Marianna Boghosian Al Assal (Escola da Cidade), Mônica Junqueira de Camargo (FAU-USP), Sabrina S. Fontenele Costa (CPC-USP): O patrimônio da USP: a arquitetura neocolonial, o inventário SEF, a pesquisa PAGE.
16h15: Intervalo
16h45: Manoela Rossinetti Rufinoni (Unifesp): O registro e documentação do patrimônio industrial no Brás e na Mooca
17h45: Debate. Moderadora: Claudia S. R. Carvalho (Fundação Casa de Rui Barbosa)

Inscrições: de 6 a 14 de maio de 2015
Formulário de inscrição: http://goo.gl/forms/ZT0QwAHI1q
Participação gratuita.
Local: Centro Universitário Maria Antonia (CEUMA-USP)

Data: 26, 27 e 28 de maio de 2015
Horário: das 14h às 19h
Endereço: Rua Maria Antonia, 294 - Vila Buarque, São Paulo – SP
Contato: cpcpublic@usp.br

Organização e Financiamento: Universidade de São Paulo - Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária, Centro de Preservação Cultural, FAPESP
Apoio: Centro Universitário Maria Antonia-USP, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo-USP, Núcleo de Apoio à Pesquisa São Paulo

Comissão Organizadora
Mônica Junqueira de Camargo (FAU-USP, CPC-USP)
Beatriz Mugayar Kühl (FAU-USP, CPC-USP)
Claudia S. Rodrigues de Carvalho (Casa de Rui Barbosa/Minc-RJ)
Flavia Brito do Nascimento (FAU-USP)
Sabrina S. Fontenele Costa (CPC-USP)
Simone Scifoni (FFLCH-USP)

Sobre o CPC-USP
O Centro de Preservação Cultural, criado em 2002, é um órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da Universidade de São Paulo que substituiu a Comissão de Patrimônio Cultural, dando continuidade às suas atividades, iniciadas em 1986. O papel do CPC é promover ações e reflexões sobre a preservação do patrimônio cultural da Universidade, incluindo seus monumentos, acervos e memórias. Tem por responsabilidade formular diretrizes e políticas de preservação do patrimônio universitário, inventariar os bens culturais da USP, fomentar e desenvolver programas de valorização e documentação desses bens, assim como assessorar processos de restauração, intervenção, incorporação e alienação do patrimônio universitário. Sediado no bairro do Bixiga, o CPC vem ainda contribuindo para o estreitamento e diversificação dos vínculos entre a universidade e a sociedade, introduzindo em sua agenda ações de comunicação museológica, educação patrimonial, difusão de conhecimento especializado e socialização cultural por meio de pesquisas, oficinas, cursos, palestras, simpósios, exposições, visitas monitoradas e apresentações artísticas.

Fonte: divulgação por e-mail