Notícia

Gazeta do Povo online

Uso intenso de computador piora notas de estudantes

Publicado em 14 fevereiro 2008

Conclusões são de estudo da Unicamp. Classes mais pobres foram as mais afetadas negativamente

O uso intenso de computadores piora o desempenho escolar de estudantes, sugerem dados de uma pesquisa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), divulgada nesta quarta-feira (13).

"O resultado mais importante (...) surgiu quando os estudantes disseram sempre usar o computador. Entre esses, não importou a classe social ou disciplina, o desempenho foi sempre pior do que entre os que nunca usaram", disse Jacques Wainer, do Instituto de Computação da Unicamp, à Agência Fapesp, que divulgou o estudo.

Os resultados mostraram, por exemplo, que na 4ª série os estudantes de classe alta que raramente usaram o computador para as tarefas tiveram, em média, 15 pontos a menos do que os que nunca o fizeram, tanto em português quanto em matemática.

Já entre os alunos mais pobres que usaram computador, mesmo que raramente, houve uma piora mais acentuada nas notas em relação aos estudantes que nunca usaram PCs. Esse grupo apresentou uma diferença média de 25 pontos em português e 15 pontos em matemática.

Entre os alunos da 8ª série, o quadro foi semelhante. Wainer e Tom Dwyer, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, coordenaram a pesquisa. A pesquisa utilizou dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), exame aplicado em todos os Estados a alunos de 4ª e 8ª séries do ensino fundamental e da 3ª série do ensino médio.


Pior para quem é mais pobre

Apesar de o trabalho detectar uma relação entre o uso do computador e piora nas notas, os autores não conseguem identificar, sem mais levantamentos, os motivos para o quadro nem porque o efeito da inclusão digital entre alunos mais pobres ser mais grave.

"Nossos resultados devem inspirar profundas interrogações entre todos aqueles que apóiam o uso de computadores no sistema escolar e nos lares e telecentros da nação, em nome da luta contra uma suposta 'desigualdade digital"', afirma a pesquisa "Desvendendo Mitos: Os Computadores e o Desempenho no Sistema Escolar", disponível no site www.scielo.br.

"Como o computador é bom para nós, professores, por exemplo, tendemos a achar que ele é útil para todos. Mas ele não é uma solução mágica para a educação", disse Wainer à agência.

Otimismo do governo

O governo federal tem promovido esforços para melhorar a inclusão digital e tenta, pela segunda vez, realizar uma licitação para compra de 150 mil notebooks educacionais de baixo custo para distribuição entre alunos do ensino fundamental de 300 escolas do país. A primeira tentativa não atendeu às exigências de preço do governo.

O assessor da Presidência da República José Luiz Aquino, que trabalha no projeto Um Computador por Aluno (UCA), afirmou em entrevista por telefone que há diferenças entre o uso de computadores em laboratórios de informática, em que as máquinas são compartilhadas por vários alunos, e o projeto do governo em que os estudantes poderiam levar para casa os equipamentos no futuro.

"Queremos testar nas 300 escolas ainda este ano para sabermos os resultados (no desempenho dos alunos), mas piora eu tenho certeza que não vai acontecer. Nosso modelo é diferente", disse Aquino, que preferiu não comentar imediatamente os resultados da pesquisa. A Secretaria de Educação à Distância do Ministério da Educação também não quis comentar o estudo, informando que ainda não tivera tempo suficiente para examiná-lo.