Notícia

Vida Universitária (Blog)

Universidades formam rede ibero-americana

Publicado em 01 outubro 2009

O presidente da FAPESP, Celso Lafer, e o presidente do Grupo Santander, Emílio Botin, foram homenageados ontem (21/09) na abertura do encontro "USP e Iberoamérica: Educação, Ciência e Tecnologia", que marcou a criação da Rede Ibero-americana de Universidades de Pesquisa (Ridup) e é parte da programação do 75º aniversário da Universidade de São Paulo. Botín e Lafer receberam placas comemorativas em reconhecimento ao trabalho do Banco Santander e da FAPESP no apoio a atividades de educação, ciência e tecnologia e discursaram sobre políticas de fomento a pesquisa.

Botin debateu o papel do setor privado nas políticas de apoio a ciência e tecnologia, com ênfase na criação de empresas de base tecnológica e em programas patrocinados pelo banco espanhol, como o Universia. Segundo ele, a relação entre as universidades e as empresas não se limita a sua produção científica, mas tem sido fundamental também na formação de recursos humanos. "A universidade é a coluna vertebral para transformação da sociedade e agente de mobilidade social", disse. Também elogiou o processo de internacionalização da USP que, segundo ele, é referência para o sistema ibero-americano de universidades.

Celso Lafer rememorou a trajetória da FAPESP de sua criação, em 1962, até os dias atuais, destacando a distribuição de bolsas de iniciação científica a pós-doutorado e os principais programas patrocinados pela Fundação, como o Genoma FAPESP, o Biota, os programas de pesquisa em bioenergia (Bioen) e em Mudanças Climáticas Globais. Também destacou que o sucesso da FAPESP inspirou a criação de fundações de amparo à pesquisa em quase todos os demais estados brasileiros, do Rio Grande do Sul, em 1964, ao Pará, em 2007. "Esse exemplo é expressão de um federalismo cooperativo", disse Lafer.

Ao final do evento, reitores de 64 universidades de 12 países assinaram o documento de constituição da Ridup, cuja meta é promover a integração de instituições que se destacam por suas expressivas produções científicas. A reitora da USP, Suely Vilela, foi escolhida para dirigir o comitê diretivo da rede. "É um privilegio lançar e integrar a rede porque a ciência moderna requer transdisciplinaridade e internacionalização e é a partir dessas redes que conseguiremos atingir esses requisitos", declarou Suely. A expectativa da reitora é de que até novembro, quando termina seu mandato à frente da USP, as ações da Ridup estejam encaminhadas. "Pretendemos avançar bastante nesse contexto. Existem problemas semelhantes na região que podem ser resolvidos quando há união de esforços", disse.

Via FAPESP