Notícia

Agência C&T (MCTI)

Universidades - Brasil no clube dos 200

Publicado em 12 novembro 2007

Agência FAPESP
USP retorna e Unicamp entra pela primeira vez no ranking das 200 melhores universidades do mundo elaborado pelo The Times


Agência FAPESP — Quais são as melhores universidades do mundo? Segundo a nova edição do ranking anual feito pelo Higher Education Supplement, do The Times, a grande maioria fala inglês, ainda que das 200 principais instituições estejam presentes representantes de 28 países.

O Brasil retorna à lista com a Universidade de São Paulo (USP) — empatada com a Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, no 175º lugar. A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) entra pela primeira vez, logo em seguida, em 177º.

As posições são expressivas, uma vez que, em 2006, a USP estava em 284º, fora do ranking das 200 mais. O salto da Unicamp foi ainda maior, por ter deixado a posição de número 448. No ranking de 2005, a USP estava em 196º.

Esta é a quarta edição da comparação internacional feita pelo jornal britânico, que também destaca onde se concentram os principais cientistas, inovadores e educadores. Estados Unidos e Reino Unido lideram em todas as listas.

No ranking das universidades, Harvard (EUA) ocupa a primeira posição. Cambridge (Reino Unido — RU), Oxford (RU) e Yale (EUA) dividem a segunda, seguidas por Imperial College London (RU), Princeton (EUA), Instituto de Tecnologia da Califórnia — Caltech (EUA) e Universidade de Chicago (EUA), ambos em 7º lugar, University College London (RU) e Instituto de Tecnologia de Massachusetts — MIT (EUA).

"O sucesso das principais instituições em gerar novo conhecimento e em produzir graduados altamente requisitados pelo mercado — especialmente nos Estados Unidos —, tem feito com que enriqueçam a partir de doações de ex-alunos, de fundos de pesquisa e de empresas spin off", destacou Martin Ince, editor do suplemento.

"A Universidade de Harvard, em primeiro lugar pela quarta vez, é a mais rica do mundo com folga e investe mais em pesquisa do que o PIB de muitos países", disse Ince. Harvard tem orçamento anual de cerca de US$ 35 bilhões, quantia que seria suficiente para incluir a universidade entre as 90 maiores economias do mundo, segundo o Banco Mundial, à frente do PIB de países como Paraguai, Luxemburgo, Bolívia ou Estônia. Para efeito de comparação, o orçamento executado da USP em 2006 foi de R$ 1,95 bilhão.

A primeira na lista que não seja dos Estados Unidos ou do Reino Unido é a canadense Universidade McGill, em 12º. A primeira com língua que não seja a inglesa é a Universidade de Tóquio, em 18º. A Escola Normal Superior, na França, em 26º, é a primeira na Europa continental.

Entre as 20 melhores estão as universidades Nacional da Austrália (16º) e de Hong Kong (18º). Na relação das 200, além do Brasil a América Latina é representada apenas pela Universidade Nacional Autônoma do México, na 192ª posição. Os países em desenvolvimento entram com apenas mais uma: a Universidade de Cape Town, em 200º.

Nas listas segmentadas, as 50 melhores em ciências naturais têm Universidade da Califórnia em Berkeley, MIT e Cambridge nas três primeiras posições. Harvard, Cambridge e Oxford também lideram em ciência da vida e biomedicina. No ranking de tecnologia e inovação, MIT é a primeira, seguida por Berkeley e Stanford.

Em ciências sociais, os primeiros são Harvard, Berkeley e a London School of Economics. Em humanidades, a lista começa com Harvard, Berkeley e Oxford.

O ranking é elaborado a partir de diversos critérios reunidos. O principal é a análise por pares, que representa 40% da nota final. Participaram 5,1 mil pesquisadores. "Embora os norte-americanos representem apenas 30% dos entrevistados, há um consenso geral de que as melhores universidades estão nos Estados Unidos", destacou o The Times em comentário sobre o ranking.