Notícia

Jornal do Comércio (RS)

Universidade é celeiro de startup unicórnio

Publicado em 28 março 2019

A Distrito Applied Innovation, plataforma digital para inovação, divulgou o relatório Corrida dos Unicórnios 2019, analisando as startups de impacto que alcançaram a marca de US$ 1 bilhão de valor de mercado, tornando-se, assim, Unicórnios. Hoje, são 314 startups Unicórnio pelo mundo, segundo o CBInsights. Quando o termo surgiu, em 2013, eram 39. No Brasil, até janeiro de 2018, não havia uma única startup bilionária e, pouco mais de um ano depois, já contamos com seis: 99 Táxi, Nubank, Arco, Ifood, Stone e Gympass. Quatro delas são uspianas. E dos 14 fundadores educados no Brasil, 10 são graduados pela Universidade de São Paulo (USP). O diretor científico da Fapesp, professor Carlos Henrique de Brito Cruz, já chegou a chamar a USP de “Celeiro de Unicórnios”, referindo-se aos empreendimentos de grande sucesso que nasceram na Universidade. O professor Antonio Carlos Marques, diretor da Agência USP de Inovação (Auspin), esclarece que o ambiente de pesquisa, proporcionado pela USP, é ponto fundamental para que os estudantes sejam capazes de inovar e empreender. “A pesquisa possui o intuito de virar inovação, isto é, ser transferida para a sociedade. Além disso, esse ambiente (de pesquisa) ajuda a impulsionar a formação desses alunos”, diz. As empresas de base tecnológica também possuem grande importância no que tange à questão social. Em seu portal, a Auspin contabiliza 1.122 empresas cadastradas, com uma média de 12 empregos gerados por empreendimento. Outro dado aponta que 17% dos estudantes da Universidade, graduação e pós-graduação, possuem CNPJ.