Notícia

Revide Vip

Universidade bem avaliada

Publicado em 07 setembro 2012

Avaliações e rankings nacionais e internacionais hoje são comuns no meio educacional e a Universidade de Ribeirão Preto tem sido muito bem avaliada em todas as pesquisas governamentais e de institutos privados. O mais recente ranking foi realizado pelo jornal Folha de S. Paulo e divulgado no dia 3 de setembro. No Ranking Universitário Folha (RUF), entre 191 universidades brasileiras avaliadas, a Unaerp aparece como a primeira instituição privada, tendo à sua frente somente instituições públicas, comunitárias e confessionais.

O RUF considerou quatro indicadores para a classificação: qualidade de pesquisa (publicações, número de doutores), qualidade de ensino, avaliação do mercado e indicador de inovação (registro de patentes).

Outra excelente avaliação obtida pela Unaerp foi no Ranking Iberoamericano SIR 2012 (Scimago Institutions Rankings). De acordo com o portal da agência Fapesp, trata-se de um projeto de avaliação da investigação científica em universidades e instituições de pesquisa que classificou 1.401 instituições iberoamericanas, sendo 370 brasileiras. Entre as universidades privadas do Estado de São Paulo classificadas, a Unaerp ocupa a 9ª colocação. “As classificações obtidas, tanto em avaliações nacionais quanto internacionais, comprovam a excelência da Unaerp e são resultado de mais de 30 anos de investimentos em produção científica, inclusive em programas parceiros com órgãos como CNPq, Fapesp, Finep, Capes e empresas”, avalia a reitora da Universidade de Ribeirão Preto, professora Elmara Bonini.

Recentemente, em junho, a Unaerp também foi classificada como a primeira universidade brasileira privada do país, com exceção das instituições públicas, confessionais e comunitárias, no QS University 2012, que avaliou

250 universidades da América Latina. A coordenadora de pesquisa e pós-graduação da Unaerp, professora Neide Lehfeld, afirma que a pesquisa é um dos mais importantes indicadores e um diferenciai da Universidade de Ribeirão Preto. “Isto porque o conhecimento gerado na investigação científica expande-se para todo o processo educacional, inovando e promovendo melhorias no ensino, além de contribuir para a qualidade de vida da população”, conclui.