Notícia

Jornal do Comércio (AM)

Unifesp cria bioprótese para ser utilizada em implantes cardíacos

Publicado em 15 dezembro 2009

Um estudo da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) resultou no desenvolvimento da primeira bioprótese de válvula aórtica nacional para implantes cardíacos por cateterismo que poderia reduzir pela metade o custo do produto. Atualmente existem apenas duas próteses deste tipo aprovadas e disponíveis no mercado mundial, sendo que somente uma delas tem a comercialização autorizada no Brasil, ao custo de aproximadamente R$ 100 mil.

O produto desenvolvido pelos especialistas da Unifesp em parceria com a empresa Braile Biomédica, de São José do Rio Preto (SP), e apoio da Fapesp (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo), poderá ser vendido a um custo praticamente 50% menor, segundo estudos iniciais, possibilitando a distribuição por meio do SUS (Sistema Único de Saúde).

A nova válvula foi desenvolvida com base em duas tecnologias já utilizadas pela empresa, que são as válvulas clássicas de pericárdio bovino e os stents aórticos desenvolvidos há dez anos também em parceria com a Unifesp.

Confeccionada a base de pericárdio bovino envolvido por uma estrutura metálica de aço inoxidável, a prótese está em fase final de testes e deverá ser encaminhada no início de 2010 para análise da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), órgão responsável pela regularização do produto no Brasil.

"Os testes realizados indicaram que o produto tem a mesma qualidade dos importados", disse o cirurgião cardiovascular Diego Gaia, autor da tese de doutorado que resultou no desenvolvimento do produto.