Notícia

Diário de Pernambuco online

Unicamp usa PlayStation para simular pesquisas

Publicado em 16 outubro 2007

Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) conectaram em rede 12 videogames PlayStation 3, da Sony, para permitir simulações de dinâmica molecular. Os videogames, que rodam o sistema operacional de código aberto Linux, formam uma rede (cluster) capaz de realizar bilhões de cálculos por segundo para estudar a interação de anestésicos locais utilizados em odontologia com membranas celulares.

"O objetivo da pesquisa é entender o mecanismo de ação desse tipo de fármaco a fim de melhorar sua eficácia e minimizar seus efeitos colaterais a partir do desenho racional de novos compostos com atividade anestésica. Também visamos a possibilidade de desenvolver formas de levar as drogas, de maneira controlada, a diferentes áreas de ação", disse, à Agência Fapesp, Monica Pickholz, coordenadora do trabalho do Departamento de Bioquímica do Instituto de Biologia da Unicamp.

Na rede, montada em junho deste ano com PlayStations de 60GB de disco cada, o maior responsável pelos cálculos é o chip Cell Broadband Engine, arquitetura computacional que, desenvolvida em parceria pela Sony, Toshiba e IBM, tem seis elementos de processamento extremamente rápidos. A primeira grande aplicação comercial do chip foi no console do PlayStation 3. Segundo a Agência Fapesp, graças ao chip os pesquisadores na Unicamp conseguiram montar um cluster com 72 processadores, cada um com memória de 256 megabytes.

"Cada PlayStation tem um processador dual-core PowerPC, da IBM, que controla os seis processadores Cell, utilizados para os cálculos de alto desempenho. Ao instalarmos o Linux no PlayStation, as máquinas passaram a trabalhar de maneira semelhante aos clusters formados com PCs comuns", explicou Monica.