Notícia

Jornal da Unicamp online

Unicamp recebe cerca de R$ 7 milhões da Finep

Publicado em 23 setembro 2013

Por Silvio Anunciação

O coordenador-geral da Unicamp, Alvaro Penteado Crósta, anunciou no último dia 11 o investimento de cerca de R$ 7 milhões para a ampliação da infraestrutura de pesquisa da Universidade.

Os recursos, destinados para a compra de equipamentos de grande porte, foram obtidos junto ao Proinfra, programa de infraestrutura da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), agência brasileira de fomento vinculada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

A contrapartida da Unicamp para o montante aprovado será de R$ 5,5 milhões, destinado ao pagamento de despesas com recursos humanos – pesquisadores e funcionários da Universidade.  “A expectativa é que a receita seja empenhada até o final deste ano. É um investimento muito importante, pois beneficiará várias unidades com um aporte adicional”, antecipou Alvaro Crósta.

Ele revelou que três projetos, importantes do ponto de vista estratégico para a pesquisa e ensino na Unicamp, foram aprovados. Um deles aportará recursos adicionais para o Laboratório Central de Tecnologias de Alto Desempenho em Ciências da Vida (LacTAD). O valor é de aproximadamente R$ 4,5 milhões.

O outro projeto, cujo montante está estimado em R$ 1,5 milhão, auxiliará a aquisição de equipamentos para o Laboratório de Nanofabricação, vinculado ao Centro de Componentes Semicondutores (CCS).

A terceira proposta, da ordem de R$ 800 mil, contempla o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Trata-se de iniciativa para constituir uma rede de cooperação interinstitucional e de aquisição e organização de acervos documentais sobre experiências e modos de atuação dos trabalhadores ao longo da história do Brasil.

O coordenador-geral adiantou que a Universidade deverá adotar uma ação importante para os futuros editais de apoio à infraestrutura da Finep, principalmente àqueles relacionados a obras. O objetivo é impedir atrasos nos cronogramas e consequente expiração dos prazos dos convênios.

“A Finep libera os recursos mediante uma contrapartida da Unicamp. Essa liberação acontece em três parcelas anuais. E a contrapartida da Unicamp também estava sendo liberada para as unidades em parcelas, o que impedia, muitas vezes, que a obra fosse licitada integralmente. Isso acarretava um atraso de todo o cronograma e consequente expiração do prazo do convênio, que é de cinco anos”, reconheceu.

“Vamos mudar isso. A Finep continuará pagando parcelado, mas a Unicamp colocará de uma só vez a contrapartida. E se for necessário licitar a obra toda para garantir os recursos, nós faremos. Deste modo, tentaremos evitar atrasos em obras na Universidade”, sustenta Crósta.

Projetos

As três propostas contempladas envolvem laboratórios e projetos multidisciplinares e multiusuários. O LacTAD, que já está em funcionamento, oferece aos pesquisadores da Unicamp e de outras universidades serviços nas áreas de genômica, proteômica, biologia celular e bioinformática.

A pró-reitora de Pesquisa Gláucia Maria Pastore, presidente do conselho do laboratório de alto desempenho, considera que os investimentos adicionais serão fundamentais para a consolidação das ações do complexo da Unicamp.

“Como é um laboratório de alta performance, necessita-se de equipamentos de ponta, em geral, com valores muito altos. São equipamentos que tornam possível a consecução de objetivos dentro desta linha de pesquisa da genômica, proteômica e bioinformática, três áreas nas quais a Unicamp vai se destacar cada vez mais”, prevê.

Também do conselho administrativo do LacTAD, o professor Paulo Arruda, do Instituto de Biologia (IB), lembrou que o laboratório obteve em 2012 um apoio considerável da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

“A Fapesp, com R$ 5 milhões, possibilitou que comprássemos equipamentos como sequenciadores de DNA de última geração e instrumentos de biologia celular. Mas nós precisávamos de uma complementação, que vem agora com este edital da Finep”, situou. Também interdisciplinar e multiusuário, o Centro de Componentes Semicondutores atua nas áreas de nanoeletrônica, microeletrônica e nanofotônica.

Os recursos da Financiadora de Projetos permitirão ao CCS dar sequencia ao projeto de um laboratório interdisciplinar de nanofabricação. “O CSS dá acesso a pesquisadores da Universidade para estas novas técnicas de micro e nanofabricação. O investimento, muito importante, permitirá a aquisição de dois equipamentos: um espectrômetro e um perfilômetro óptico 3D”, especificou Stanislav Moshkalev, diretor-associado do órgão.

Na área de humanas, a proposta aprovada beneficiará o Arquivo Edgard Leuenroth (AEL), centro de pesquisa e documentação social vinculado ao IFCH. Os recursos permitirão a compra de equipamentos como scanners automatizados para digitalização de documentos. O objetivo é constituir uma rede de cooperação interinstitucional e de aquisição e organização de acervos documentais sobre experiências e modos de atuação dos trabalhadores ao longo da história do Brasil.

O projeto busca consolidar uma tradição de trocas acadêmicas entre os historiadores e cientistas sociais. A ideia é fortalecer a política de formação de recursos humanos baseada na interdisciplinaridade, resgatando a vocação original do AEL de constituir-se como polo aglutinador e difusor de investigações científicas sobre a história dos trabalhadores.