Notícia

Cruzeiro do Sul online

Unicamp pode ter mulher como reitora pela 1ª vez

Publicado em 10 março 2009

Docentes, funcionários e alunos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) escolhem entre quarta (11) e quinta-feira (12) o novo reitor para o biênio 2009-2012. A consulta será feita em quatro locais de votação em Campinas, Limeira e Piracicaba. A disputa tem dois candidatos: a bióloga e engenheira de alimentos Glaucia Maria Pastore, de 55 anos, e o médico Fernando Ferreira Costa, atual vice-reitor e coordenador-geral da universidade, de 58 anos. Um deles substituirá o professor José Tadeu Jorge, no cargo desde abril de 2005. A posse do novo reitor, o décimo na sucessão do fundador da Unicamp, Zeferino Vaz, será no dia 17 de abril.

A votação é proporcional e os 2 mil docentes representam três quintos do total, os 32 mil alunos, mais um quinto e os 7.500 funcionários, outro quinto. A Unicamp concentra 15% da pesquisa universitária brasileira, 12% da pós-graduação no País, e é a campeã no ranking de patentes com 600 delas depositadas e 50 licenciadas, ou seja, transferidas para o mercado. A apuração dos votos será feita no ginásio multidisciplinar, após o encerramento da votação, a partir das 21 horas de quinta-feira (12).

Caso a professora Glaucia Pastore seja a mais votada, ela será a primeira mulher à frente da reitoria da Unicamp. Glaucia é bolsista de produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e concluiu o doutorado em ciência de alimentos pela Unicamp em 1992. Graduada em ciências biológicas em 1976, fez seu pós doutoramento em Food Science na Ohio State University, nos Estados Unidos, é professora titular desde 2006 e coordena dois projetos de pesquisa pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e CNPq. Glaucia atua na área de alimentos com ênfase em alimentos funcionais. Publicou ao menos cem artigos em periódicos especializados e 152 trabalhos em anais de eventos.

Possui dois livros publicados e dez capítulos de outras obras, além de duas patentes de produto e duas, de processo tecnológico A professora já orientou 25 dissertações de mestrado, 20 teses de doutorado e 35 trabalhos de iniciação científica. Entre as principais propostas de Glaucia estão a valorização do ensino por atividades didático-pedagógicas dos docentes e avaliação discente; o incentivo às pesquisas; a defesa da manutenção dos direitos previdenciários da comunidade da Unicamp, respeitada pela isonomia das universidades paulistas; a desburocratização e transparência na gestão e participação efetiva da comunidade universitária; a garantia de infraestrutura; e a utilização da capacidade da Unicamp para vencer desafios e exportar modelos.

Fernando Ferreira Costa graduou-se pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto em 1974, onde após fazer residência médica, mestrado, doutorado e livre-docência atuou como docente entre 1985 e 1989. Fez pós-doutoramento na Yale School of Medicine, nos Estados Unidos e em 1996 foi aprovado como professor titular da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, da qual foi diretor. Costa foi pró-reitor de pesquisa entre 2002 e 2005, desde quando é coordenador-geral da Unicamp. Tem ao menos 216 trabalhos publicados em periódicos de circulação internacional. Orientou 22 teses de doutorado e 18 dissertações de mestrado.

Para Costa, os principais desafios são manter e elevar o padrão de qualidade da Unicamp em todas as áreas de atuação, em busca de comparar a universidade com as melhores do mundo. Suas ações visam o aumento do intercâmbio nacional e internacional nas áreas de graduação, pós-graduação e pesquisa. O professor também apontou como desafio a criação de uma política de atração de docentes e pesquisadores e o incremento de ações de extensão e relações produtivas da universidade com empresas, o setor público e a comunidade. Costa também propõe a reestruturação da carreira docente e reposição de vagas decorrentes de aposentadorias, além de uma política salarial fixada em critérios definidos em negociações amplas, em conjunto com o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp).(AE)