Notícia

Correio Popular

Unicamp participou de projeto

Publicado em 19 fevereiro 2000

O primeiro seqüenciamento genético de um ser vivo feito por cientistas brasileiros, que coloca o Brasil como a primeira nação do Hemisfério Sul a dominar a tecnologia do setor, teve a participação de pesquisadores de quatro unidades da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O projeto, que envolveu 192 cientistas de 35 laboratórios do País, conseguiu determinar todos os 2,7 milhões de bases do cromossomo da Xylella fastidiosa, a bactéria responsável pela clorose variegada dos citros (CVC), conhecida popularmente como a praga do amarelinho, que afeta 34% dos pomares de laranja, base da importante citricultura paulista. FAPESP O Projeto Genoma para o seqüenciamento da Xilella fastidiosa, foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), com apoio do Fundo Paulista de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), e investimento de US$ 15 milhões. A Unicamp participou da empreitada para transcrever o código genético da bactéria com o Laboratório de Bioinformática, do Instituto de Computação, coordenado pelos professores João Carlos Setúbal e João Meidanis; com o Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética (CBMEG), e coordenado pelo professor Paulo Arruda, com o Departamento de Genética do Instituto de Biologia, coordenado pelo professor Gonçalo Guimarães Pereira e com o Hemocentro da Faculdade de Ciências Médicas, coordenado pelo professor Fernando Costa. CANCRO CÍTRICO A Unicamp também está participando, com o Laboratório de Bioinformática, do esforço para o seqüenciamento da bactéria Xanthomonas axonopodis pv citri, causadora do cancro cítrico. Também integra o projeto Genoma Humano do Câncer, em colaboração com o Instituto Ludwig, que está seqüenciando os genes expressos em células de tumores de maior incidência no Brasil.