Notícia

O Liberal (PA)

Unicamp desenvolve o primeiro arquivo para genética clínica

Publicado em 06 outubro 2000

A história da evolução da genética clínica brasileira é o resultado da informatização de um arquivo com mais de 11 mil registros de pessoas que procuraram o serviço na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM/ Unicamp). O projeto de organização dos arquivos do Serviço de Genética Clínica (SGC) foi de Andréa Trevas Maciel Guerra, chefe do Laboratório de Citogenética Humana do Departamento de Genética Médica da FCM. "Percebi, enquanto lia cada um dos prontuários, o avanço dos diagnósticos, que eram mais genéricos e foram se tornando mais específicos com a evolução da medicina e com a experiência adquirida pelos profissionais", ressaltou a pesquisadora Fundado em 1970, esse foi o primeiro ambulatório do gênero no Brasil. Para microfilmar e informatizar o arquivo, Andréa obteve cerca de R$ 63 mil da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). A geneticista fez também um arquivo nosológico, ou seja, levantou a frequência das doenças. A maior parte dos casos é de síndrome de Down (13,3%).