Notícia

Jornal da Unesp online

Unesp Rio Preto integra rede nacional

Publicado em 09 fevereiro 2009

Por Ligya Aliberti

Laboratório ACME! de Pesquisa em Segurança é selecionado

 

O Laboratório ACME! de Pesquisa em Segurança, sob responsabilidade do docente Adriano Cansian, do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (Ibilce), câmpus de São José do Rio Preto, integrará o INCT-SEC (Instituto Nacional de Ciências e Tecnologia em Sistemas Embarcados Críticos), coordenado pela USP de São Carlos.

O anúncio pelo Ministério de Ciência e Tecnologia ocorreu em novembro, com a criação de 101 novas redes de pesquisa, que receberão R$ 553 milhões para trabalhos em áreas estratégicas. Trata-se do maior programa organizado no setor até o momento.

A missão do INCT-SEC é elevar e agregar habilidades, competências e infra-estrutura necessárias para o desenvolvimento de sistemas embarcados críticos, com ênfase em veículos autônomos móveis, ou seja, aqueles que são controlados sem um piloto a bordo.

O projeto envolve grupos de pesquisadores de nove universidades brasileiras, entre elas EESC/USP, ICMC/USP, Unesp, POLI/USP, PUCRS, UEM, UFES, UFAM, UFG e UFSCar, e sete componentes da iniciativa privada.

Segundo o coordenador do projeto, o docente da USP de São Carlos José Carlos Maldonado, além do desenvolvimento de pesquisas para a elaboração desses sistemas, a meta é a construção de pelo menos dois protótipos de veículo, um aéreo e um terrestre, com o objetivo de serem transferidos para as empresas associadas, visando a possível fabricação e comercialização.

No caso do Laboratório ACME!, a missão será prover segurança nas comunicações críticas dos sistemas, além de atuar no treinamento de pessoal na área. “Pretende-se constituir um Centro de Treinamento e Capacitação no âmbito do projeto, e nossa equipe estará relacionada à capacitação em segurança da informação”, explica Cansian.

“A idéia é motivar a formação de um número significativo de mestres e doutores e produção intelectual na forma de artigos científicos apresentados e publicados em conferências e periódicos de boa qualidade, bem como de patentes”, complementa.

Cada Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) funcionará como uma rede integrada de laboratórios já existentes, coordenada por um pesquisador sênior em uma instituição-sede. Receberá financiamento ao longo de três anos e, dependendo do desempenho caracterizado por uma avaliação após os três anos, poderá ter uma extensão de financiamento por mais dois anos.

As Fundações de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo (FAPEMIG, FAPERJ e FAPESP) participarão do Programa, co-financiando propostas selecionadas cujas instituições-sede estejam em seus respectivos estados, que é o caso do INCT-SEC em São Paulo, co-financiado pela Fapesp.

A Capes permitirá a ampliação da atividade de formação de recursos humanos do programa, com recursos estimados de R$ 30 milhões de reais, oferecendo bolsas em diferentes modalidades.

Os temas apoiados pelos projetos do INCT são abrangentes e incluem áreas de conhecimento como saúde, agronegócio, aviação e biotecnologia. Há ênfase na busca de tecnologias e produtos que tenham aplicações práticas. Dezesseis estados brasileiros irão sediar os novos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia, que atuarão em rede com instituições por todo o país e ocuparão posição estratégica no Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia.

A sede do INCT-SEC será no ICMC-USP (Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação), localizado na cidade de São Carlos (SP). Em Rio Preto, será estabelecido no Laboratório ACME! de Pesquisa em Segurança, coordenado por Cansian.