Notícia

Agronline

Unesp Ilha Solteira amplia rede de estações agrometeorológicas

Publicado em 25 novembro 2010

Por Agro Rede de Notícias Online - 25/11/2010

A Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira já realiza o monitoramente agroclimático na região noroeste paulista desde o início da década de 90, para isso utilizando estações instaladas nos municípios de Ilha Solteira e Marinópolis, sendo este trabalho de reconhecida relevância para agricultores e sociedade em geral possuindo diversas aplicações, desde o campo até a saúde pública e também para a pesquisa, como a base para formulação de balanços hídricos e o planejamento de investimentos agroindustrial.

Devido a isso, um novo projeto, "Modelagem da Produtividade de Água em Bacias Hidrográficas com Mudanças de Uso da Terra", que trata da ampliação da rede de estações foi aprovado pela Fapesp e Facep, e proporcionará a instalação de 7 novas estações agroclimatológicas na região noroeste paulista, com estas a área de abrangência e a importância das informações geradas serão aumentadas exponencialmente.

Uma parte muito importante deste projeto é a Modelagem de Banco de Dados para gerenciamento do novo fluxo de dados que ocorrerá após a instalação das novas estações, para tal a Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira conta com um novo integrante, Jean Carlos Quaresma Mariano, Analista de Sistemas, que têm trabalhado nos últimos meses no desenvolvimento de um novo banco de dados.

O banco de dados atual é baseado no software Microsoft Access, e a passagem de dados é realizada manualmente pelos integrantes da AHI, no entanto, com o novo volume de dados que serão gerados se fez necessária a elaboração de um banco de dados mais amplo e interativo.

O novo banco de dados seguirá a política de softwares livres seguida pela AHI, utilizando o gerenciador de banco de dados PostGre SQL, o gerenciador oferece ainda a ferramenta PostGis, que possibilita o trabalho integrado com o georreferenciamento, e para a interface gráfica ao usuário utilizaremos a linguagem de programação Java, por ser também software livre, segura e por ser independente de plataforma: "A geração e disponibilização de informações será mais dinâmica, pois o novo sistema possibilitará uma maior interação com o usuário na busca das informações solicitadas", comenta Jean Quaresma sobre o novo sistema. A comunicação entre as estações e o banco de dados se dará automaticamente através de rádio, no caso das estações mais próximas, ou modem (celular) para as estações mais distantes.

O novo sistema possibilitará a automatização da passagem de dados das estações para o sistema, que atualmente é realizada manualmente, e uma maior interação com o usuário, que além de ter acesso aos dados diários de temperatura, umidade e todas as outras informações disponibilizadas pela AHI, ainda poderá ter acesso aos dados horários e ainda de cada 5 minutos.

Já o professor Fernando Braz Tangerino Hernandez, que coordena o projeto pela UNESP e atualmente encontra-se em Logan - Estados Unidos, destaca que "além de ampliar as possibilidades da pesquisa científica, que inclui avaliações com uso de imagens de satélite, a região toda se beneficiará da divulgação gratuita das variáveis agroclimáticas provenientes das nove estações que estão sendo implantadas".

O projeto prevê ainda a construção do Núcleo de Apoio Computacional à Irrigação, uma nova área do Laboratório de Hidráulica e Irrigação, que será construída no próximo ano, com o objetivo de viabilizar a operação de todas as estações e o tratamento adequado dos dados obtidos.

Com as novas informações que serão produzidas será possível para a Área de Hidráulica e Irrigação da UNESP Ilha Solteira a realização de um importante papel da academia, a transformação de dados em informações úteis tanto para agricultores como para a sociedade de um modo geral.

Fonte: Unesp Ilha Solteira