Notícia

Unesp

Unesp e Secretaria da Habitação assinam convênio

Publicado em 17 novembro 2015

Dia 17 de novembro, a Unesp assinou convênio com a Secretaria da Habitação do Estado de São Paulo. A parceria visa a implantação do projeto de turismo na comunidade do bairro Cota 200, em Cubatão, SP. A cerimônia de assinatura foi realizada em um espaço para projetos de arte e artesanato do bairro na cidade paulista.

O convênio dispõe recursos para um trabalho de formação e capacitação de guias turísticos e a própria comunidade. O trabalho é desenvolvido pelo Instituto de Biociências,Câmpus do Litoral Paulista (IB/CLP) da Unesp em São Vicente e pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano – CDHU, ligada à Secretaria.

A partir de uma analise, verificou-se o potencial de turismo ecológico e histórico da região onde está localizado o bairro Cota 200. Dessa forma, a parceria objetiva reunir os diferentes projetos sociais realizados pela companhia em torno do turismo de base comunitária, segundo o professor Davis Gruber Sansolo, do IB/ CLP. "Desde sua urbanização, a comunidade recebe constantemente visita de escolas, por conta do seu patrimônio histórico e ambiental", salientou.

Em 2015, cerca de 500 escolas públicas e privadas visitaram o bairro cercado por uma vegetação e fauna preservadas da Mata Atlântica, e seu valor histórico, como as trilhas indígenas e a importante ligação entre o porto da então colônia portuguesa com o planalto. "Esse local preserva não só esse patrimônio histórico e natural, mas envolve a própria história da relação de São Paulo, desde sua criação, com o mundo", explicou o professor. "E queremos trazer essa consciência para a comunidade que eles são parte integrante desse aspecto mais complexo."

De acordo com o secretário da Habitação do Estado de São Paulo Rodrigo Garcia, as atividades já realizadas pela CDHU voltadas para o turismo ecológico recebem um incremento importante com a participação dos professores e estudantes do Câmpus do Litoral Paulista com foco na profissionalização dos agentes comunitários. "Com o know-how da Unesp, buscamos a formação profissional da comunidade", destacou.

O processo de urbanização do bairro e o desenvolvimento de projetos sociais ligados a arte  já trouxeram visitantes ilustres à comunidade como o príncipe Harry, do Reino Unido. Ele caminhou pelas ladeiras alfaltadas durante a Copa do Mundo de Futebol, realizada no Brasil em 2014. Além do príncipe, a Cota 200 virou rota turística de canadenses e visitantes vindos da África do Sul, segundo Roque Bispo Costa Sobrinho, 55 anos. "Esse projeto de turismo vai valorizar tanto o bairro quanto nós, moradores. O mundo vai saber que existe o Cota 200", diz Sobrinho. "E acreditamos que essa atividade vai trazer e gerar renda para nós." Ele se mudou para a então vila de trabalhadores que construíram a Rodovia Anchieta em 1962.

Os projetos sociais desenvolvidos na Cota 200 tem por metodologia e foco de atuação a participação e engajamento dos moradores. Viviane Frost, superintendente de Ações de Recuperação Urbana da CDHU, explica que os projetos de arte, de comunicação estão diretamente ligados e direcionados pelo programa de urbanização. "Para além das obras de infra-estrutura, procuramos também o desenvolvimento social dessa localidade", disse.

Antes da assinatura do convênio, o secretário Garcia e o reitor da Unesp Julio Cezar Durigan visitaram a comunidade. Para o reitor,  professores do instituto, gestores da secretaria e membros da comunidade participantes dos diferentes projetos sociais desenvolvidos no local. Para Durigan, a parceria permite com que a Universidade estreite sua relação com a sociedade, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dessas pessoas. "A vinda da Universidade para a comunidade permite que levemos nossas informações, e também que a comunidade ensine-nos muito também", ressaltou Durigan. "Esse é um projeto piloto que servirá de base para outras comunidades com demandas parecidas às da Cota 200."

Clique aqui e veja fotos do evento.

Histórico

A relação entre o IB/CLP e a CDHU iniciou-se em 2013, quando o professor Davis Gruber Sansolo começou um projeto de pesquisa no Parque Estadual da Serra do Mar, sobre o Programa de Uso Público. Financiado pela Fapesp, o projeto envolve três núcleos de gestão: Itutinga Pilões, Caraguatatuba e Picinguaba. Um dos seus objetivos é verificar a relação entre o programa de uso público e as comunidades do entorno, ou moradoras no interior do parque.

"No caso do Núcleo Itutinga Pilões sediado em Cubatão, focamos nas comunidades dos Bairros Cota. Além do projeto de pesquisa, foi vinculado ao projeto um de extensão, cuja temática é: Monitoramento Ambiental Comunitário das Áreas Protegidas Costeiras do Estado de São Paulo.  O

projeto foi levado para o Núcleo Itutinga Pilões, onde se começou a trabalhar com o treinamento dos monitores do parque", afima Sansolo.

Na época, o professor já tinha conhecimento do Programa de Recuperação Sócio Ambiental da Serra do Mar, financiado pelo BID, uma iniciativa da Fundação Florestal, Secretaria do Planejamento e Secretaria da Habitação (CDHU). O projeto envolve, entre outras ações, a remoção da população habitante de áreas de risco e a recuperação da floresta na Serra do Mar.

O projeto por parte do CDHU envolve além da remoção e construção de habitações (conjuntos habitacionais), prevê a urbanização do Bairro Cota 200 para a população que não foi realocada. Além disso, estão sendo desenvolvidos projetos de pós-urbanização, para o desenvolvimento social da população remanescente. São quatro os projetos: Arte nas Cotas; Com Com. NESDEL e Cota viva.

"Foi possível assim entrar em contato com os responsáveis e iniciamos uma série de reuniões, com intuito de aproximar nosso projeto de extensão e de pesquisa, aos projetos do CDHU, pois envolvem as populações que habitam áreas cercadas pelo Parque Estadual da Serra do Mar", diz o docente.

Sansolo propôs uma linha condutora que pudesse unir os projetos sociais em torno de um objetivo comum. O principal envolveria o desenvolvimento do sentido de pertencimento, da comunidade ao território que habitam, de tal forma que além de se sentirem proprietários de suas casas, pudessem ser protagonistas de seu bairro, sobretudo, se relacionando com o território mais amplo, em especial o Parque estadual da Serra do Mar. 

Diante dos objetivos do Programa de Recuperação Sócio Ambiental da Serra do Mar (BID), a proposta foi muito bem recebida. “Propusemos então, para começar o processo a realização de um curso de Turismo de Base Comunitária, que pudesse ir além da venda de serviços, mas que integrasse os quatro projetos sociais e que resgatasse a dimensão patrimonial dessas comunidades. A proposta foi entendida como uma grande oportunidade, para um projeto piloto que poderá ser replicado para toda área litorâneas que envolvem o programa financiado pelo BID”, diz o docente da Unesp.

Tendo em vista que o bairro, já é intensamente visitado por escolas., foram desenvolvidas ações que nos levaram a essa proposta de convênio: Visita de aluno da Unesp aos Bairros Cota; Visita de moradores dos Bairros Cota ao Campus Litoral Paulista; Workshop de Turismo Comunitário no CLP; Oficinas de Monitoramento Ambiental nas Trilhas do Parque; Estruturação do Curso de Turismo de Base Comunitária; Oficina com Professora Visitante da UFPA.

O convênio foi proposto para fortalecer as ações integradoras da comunidade e dessas ao Parque. “Com esse convênio poderemos desenvolver uma série de ações de pesquisa e extensão na área socioambiental. Em breve será construído um jardim botânico na área em questão e possibilitara pesquisas de interesse de outros professores do Instituto de Biociências e de outras unidades da Unesp”, afirma o docente.

Mais informações sobre os projetos aqui.

Contato
Davis Gruber Sansolo
dsansolo@clp.unesp.br
(13) 3569-7149

Assessoria de Comunicação e Imprensa