Notícia

Pravda (Rússia)

Uma nova interpretação da história de São Paulo

Publicado em 19 dezembro 2019

SÃO PAULO - Quem quiser conhecer uma nova interpretação da história do Brasil e especialmente da terra paulista não pode deixar de ler O Reino, a Colônia e o Poder: o governo Lorena na capitania de São Paulo, do professor, jornalista e historiador Adelto Gonçalves, que revisa o século XVIII e corrige equívocos publicados em outros livros por falta de pesquisa em arquivos. O trabalho desenvolvido por Adelto Gonçalves consiste em uma análise dos anos de 1788 a 1797, período de governo de d. Bernardo José Maria da Silveira e Lorena (1756-1818), mostrando como a capitania de São Paulo sempre teve um papel de grande importânc ia na co nstrução do Brasil, especialmente em razão de sua localização estrategicamente favorável.

"Adelto Gonçalves substancialmente enriquece a nossa compreensão da história e do desenvolvimento de São Paulo durante o fim do século XVIII. Este trabalho, de sólida base em documentos históricos e pesquisas de arquivo, reflete a formidável jornada de Adelto como historiador de Portugal e Brasil", escreve no prefácio o historiador britânico e ex-diretor do Programa de Estudos Brasileiros do Centro David Rockfeller da Universidade Harvard, de Massachussetts (EUA), Kenneth Maxwell, doutor em História pela Universidade Princeton (EUA). E acrescenta: "Esta obra é, em sua totalidade, não só uma rica análise do governo de Bern ardo Lor ena, mas um estudo que abre muitas linhas de investigação e formula muitos problemas novos, o que deveria ser a tarefa de todo bom historiador. Para a história de São Paulo no século XVIII tardio não há guia melhor", garante.

Já o historiador Carlos Guilherme Mota, professor emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), diz, no texto de apresentação ("orelhas), que este livro "se distancia de abordagens mais recentes beneficiadas por publicidade apressada e aplaudida pela imprensa". E observa: "Em patamar mais alto, Adelto Gonçalves aprofunda sua análise da vida paulistana no período colonial com inusual rigor, alargando, porém, suas balizas cronológicas, sem os modismos e generalizações muito comuns em certa historiografia que trafega na superfície dos acontecimentos, marcada pela busc a do pit oresco". Para Mota, trata-se de "um estudo bem estruturado e inovador, baseado em fontes documentais sólidas e, vale registrar, bem escrito".

Para chegar ao período da governança de Lorena, Adelto Gonçalves precisou resumir 70 anos da história da capitania de São Paulo, desde 1720, quando ocorreu o desmembramento de Minas Gerais, e compreender como as coisas funcionavam. "Ao chegar para exercer o cargo, o governador Lorena já encontrou uma capitania em desenvolvimento e sua política foi de fortalecimento da economia, priorizando obras de melhoramento dos caminhos do interior para a capital e para o litoral", diz Gonçalves, ressaltando que o governador teve uma visão futurista ao estabelecer o porto de Santos como porto único.

"Prejudicou os demais portos da capitania, como Cananeia, São Sebastião e Paranaguá, bem como o do Rio de Janeiro, porque as mercadorias tinham de pagar o imposto em Santos, mas com isso aumentou a arrecadação", explica. E acrescenta: "Dessa maneira, procurava facilitar a descida da produção de açúcar do interior da capitania, direcionando-a para o porto de Santos, atendendo aos interesses da elite agrária. Além disso, o governador mandou construir uma via pavimentada com pedras, a primeira da América Latina, que passaria para a História como Calçada do Lorena. Antigamente, esse percurso na Serra do Mar, na altura de Cubat&atil de;o, ha via sido um caminho aberto por indígenas que os tropeiros seguiam, com o açúcar indo no lombo das mulas. Foi a partir daí que São Paulo deu um salto", assegura.

"Lei do porto único"

O historiador observa que, com a chamada "lei do porto único", assim consagrada equivocadamente pela historiografia, pois não se tratava de uma lei régia, mas de uma determinação do governador, alguns grupos enriqueceram, em prejuízo de outros, que passaram a considerar a medida um monopólio - o que, de fato, era - e, assim, a produção paulista, especialmente a de açúcar, cresceu de maneira vertiginosa. "Isso pode ser constatado em números, com a multiplicação de engenhos: de 78 que havia em 1793, chegou-se a 359 em 1798", diz.

O pesquisador diz ainda que Lorena era muito ligado ao capitalista Jacinto Fernandes Bandeira, grande negociante de Lisboa, que tinha livre acesso ao governo no Reino e passara a cuidar de seus negócios particulares em Portugal. "Em contrapartida, Lorena facilitava os negócios de Bandeira com a América portuguesa. Ou seja: a venalidade constituía uma prática corriqueira, pois, embora por lei o governador (e capitão-general) não pudesse fazer negócios particulares, acabava para fazê-lo por interpostas pessoas", diz, lembrando que Lorena seguia também a orientação de Martinho de Melo e Castro, ministro da Marinha e do Ultramar entre 1770 e 1795, que procurav a diminuir a influência dos traficantes fluminenses de escravos, que já haviam estabelecido relações altamente lucrativas nas possessões portuguesas na África. "Não obteria êxito nessa missão porque, a essa altura, já houvera uma inversão na relação reino-colônia, ou seja, a América portuguesa já era economicamente mais poderosa que Portugal".

Da vida privada de Lorena, Gonçalves recorda que há registros posteriores, ditados pela tradição oral, mas não corroborados por manuscritos de arquivo, segundo os quais ele e sua comitiva eram gente que não poupava a violência quando falsas promessas e astúcias não bastavam para a corrupção de donzelas incautas. "Diziam que, à noite, ele costumava invadir sorrateiramente os quintais das propriedades próximas à casa do governo atrás de donzelas. Tendo 32 anos de idade ao chegar a São Paulo, Lorena era solteiro e logo manteria duas amantes paulistas que atuariam como intermediárias em muitos negócios do gover no. Depo is de São Paulo, Lorena foi governador e capitão-general de Minas Gerais e, em 1807, tornou-se vice-rei da Índia, ficando lá até 1816. Voltou para o Rio de Janeiro, onde morreu em 1818", conclui.

Segundo o autor, a sua obra objetiva ainda corrigir equívocos presentes em livros antigos, que são repetidos até hoje, por falta de consulta aos manuscritos. E, portanto, resultou em revisão da ideia de que São Paulo vivia em uma situação de extrema miséria, pois documentos analisados apontavam que já havia um plano do governo para que a grande fome que já assolava Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro não chegasse a São Paulo, demonstrando desde já a autossuficiência da capitania.

O autor

Natural de Santos-SP, Adelto Gonçalves, 68 anos, é doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa e mestre na área de Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-americana pela Universidade de São Paulo (USP). Foi professor titular da Universidade Paulista (Unip), Universidade Santa Cecília (Unisanta) e Centro Universitário Monte Serrat (São Judas-Unimonte), em Santos; e do Centro Universitário Amparense (Unifia), de Amparo-SP. Jornalista desde 1972, já atuou em diversos veículos, como Estado de S. Paulo, Editora Abril, Grupo Folhas e A Tribuna, de Santos, além de ter sido correspondente da revista Época em Lisboa em 1999- 2000. Também atua como assessor de imprensa na área empresarial.

Recebeu os seguintes prêmios: Fernando Pessoa da Fundação Cultural Brasil-Portugal, Rio de Janeiro, em 1986, participando do livro Ensaios sobre Fernando Pessoa (1987), com o trabalho "O ideal político de Fernando Pessoa"; Assis Chateaubriand, 1987, e Aníbal Freire, 1994, ambos da Academia Brasileira de Letras (ABL); e Ivan Lins de Ensaios da União Brasileira de Escritores e da Academia Carioca de Letras, 2000, com Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), biografia do poeta Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810), seu trabalho de doutorado,

É autor de Bocage: o Perfil Perdido (Lisboa, Editorial Caminho, 2003), biografia do poeta Manuel Maria de Barbosa du Bocage (1765-1805), trabalho realizado com bolsa de pós-doutorado da Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (Fapesp), e dos romances Os Vira-latas da Madrugada (Rio de Janeiro, José Olympio, 1981; Taubaté-SP, Editora Letra Selvagem, 2015) e Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002).

Com a editora da Imesp, possui dois outros livros publicados: Direito e Justiça em Terras d'El-Rei na São Paulo Colonial - 1709-1822 e Tomás Antônio Gonzaga (Série Essencial, nº 56, da ABL). Publicou ainda Fernando Pessoa: a voz de Deus (Santos, Editora da Unisanta, 1997), artigos e ensaios, e Mariela Morta (Ourinhos-SP, Editora Complemento, 1977), contos, seu livro de estreia. Escreveu ensaios introdutórios para dois livros de contos de Machado de Assis (1839-1908) publicados em edição russo-portuguesa em 2006 e 2007 pelo Centro Lusófono Camões da Universidade Estatal Pedagógica Hertzen, de São Petersburgo, Rússia .

____________________________

O Reino, a Colônia e o Poder: o governo Lorena na capitania de São Paulo - 1788-1797, de Adelto Gonçalves, com prefácio de Kenneth Maxwell, texto de apresentação de Carlos Guilherme Mota e fotos de Luiz Nascimento. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 408 páginas, R$ 70,00, 2019. Site: www.imprensaoficial.com.br