Notícia

Época

Uma cobaia vegetal

Publicado em 18 dezembro 2000

Por CRISTIANE SEGATTO
Parece uma praga de jardim, mas se trata de uma ferramenta poderosa para os geneticistas. A Arabidopsis thaliana é uma das plantas mais utilizadas em experiências científicas, uma espécie de cobaia do reino vegetal. Sua vantagem competitiva: tem estrutura simples e se reproduz rapidamente. Na quinta-feira passada, a revelação dos segredos da Arabidopsis, que se assemelha a um pé de mostarda, mereceu a capa da revista Nature. Ela se tomou o primeiro vegetal do mundo a ter o código genético decifrado. O mapeamento, realizado por cientistas de cinco países, promete reduzir prejuízos na agricultura. "Será muito mais fácil identificar genes importantes em espécies com valor comercial", disse a ÉPOCA Virgínia Walbot, coordenadora do estudo e pesquisadora da Universidade Stanford. No passado, lições aprendidas com a Arabidopsis ajudaram os cientistas a combater doenças no trigo, controlar o amadurecimento de tomates e aumentar a produtividade de lavouras de canola. A lógica é simples. A planta tem 26 mil genes distribuídos em apenas cinco cromossomos. Apesar da composição diminuta, é capaz de realizar todas as funções de um vegetal. Cria raiz, floresce e faz auto fecundação. Resume com didatismo tudo o que uma planta deve ser. Muitos de seus genes aparecem em espécies como a soja e o milho. "As informações sobre o vegetal tornarão possíveis manipulações em todas as culturas", diz Genaro de Paiva, da estatal Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. O estudo abre uma temporada de êxitos no Seqüenciamento genético de vegetais. Uma das pesquisas mais próximas da conclusão está sendo feita no Brasil. É o projeto Genoma Cana, que se propõe a estudar todos os genes da cana-de-açúcar. Financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, lá decifrou 80 mil genes relacionados à produção de proteínas na cana. Os cientistas esperam criar, até 2002, exemplares de cana mais produtivos e resistentes a pragas e à seca.