Notícia

Brasil Econômico

Ujima aproxima universidades e ex-estudantes

Publicado em 16 maio 2011

Por João Paulo Freitas

Lançada oficialmente no mês passado, a rede Alumni Unicamp, uma espécie de rede social voltada ao fortalecimento do relacionamento entre a universidade e seus alunos egressos, estava em fase experimental desde o final de 2008. Hoje, o site conta com a participação de 3,5 mil ex-alunos e, segundo Kleber Teraoka, diretor-executivo da Ujima Software, empresa que desenvolveu o portal, a esse número podem-se somar outros 70 mil ex-alunos, usuários em potencial.

Não entra nessa conta os 10 mil estudantes que ingressam anualmente na instituição. A rede visa beneficiar seus participantes com descontos nos produtos da Editora Unicamp, oportunidades de trabalho, fóruns e comunidade, entre outros serviços.

Teraoka, ele mesmo um ex aluno da Unicamp, onde formou-se em Engenharia Elétrica, criou a Ujima em 2006, na incubadora do Núcleo Softex Campinas, que fica na própria universidade. Entre 2004 e 2005 o empreendedor percebera que havia boas oportunidades no mercado para quem se dispusesse a desenvolver uma rede social que explorasse o relacionamento entre os ex-alunos de grandes universidades.

"Nos Estados Unidos existe uma cultura muito forte do que eles chamam de alumni. Ex-alunos de uma mesma universidade criam grupos e depois trocam experiências", diz o empreendedor.

Benefícios mútuos

Segundo Teraoka, uma rede social baseada nessa ideia é útil para todos os envolvidos. "Esse tipo de relacionamento traz benefícios para empresas, que têm uma fonte de recursos humanos qualificados, para profissionais e empreendedores, que participam de uma rede de relacionamento, e para as universidades, que ganham reconhecimento", avalia.

Na época em que teve a ideia de criar esse escritório virtual de carreiras para instituições de ensino, que foi batizado de Ujima Alumni, o empreendedor havia retornado ao país após um curso de especialização em negócios na Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos. Segundo o empreendedor, o alumni ainda é pouco explorada no Brasil, mas é muito comum no exterior.

Foi quando a versão de teste da plataforma desenvolvida para a Unicamp foi ao ar, na metade de 2010, que Teraoka definitivamente percebeu o potencial do projeto: 96% dos 3 mil ex-alunos convidados por email a participar da rede aderiram à iniciativa. O projeto vem se expandindo deste então e, apesar do lançamento oficial no mês passado, ainda está em fase de aperfeiçoamento. Uma das próximas etapas é incluir algumas das 2 mil empresas que atualmente se relacionam com a Unicamp no sistema.

Próximos passos

A própria Ujima está em fase de expansão. De acordo com Teraoka, a empresa deve deixar a incubadora ainda neste mês. No momento, o empreendedor conduz conversas com investidores interessados no negócio, mas não revela seus nomes. Um eventual aporte de capital deve ajudar a Ujima crescer e levar uma plataforma para o âmbito corporativo, criando rede para ex-funcionários de grandes empresas.

Teraoka vê também um grande mercado para sua plataforma entre as instituições privadas de ensino. "Trata de manter um relacionamento de longo prazo com os ex-alunos. Isso abre e possibilidade, por exemplo, para oferecer novos cursos e fazer pesquisa de demanda", diz. "O principal ativo de uma instituição de ensino são os alunos que ela forma."

APOIO

R$ 450 mil - foi quanto a Ujima Software obteve até o momento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para desenvolver seus projetos.

Atitude

Visão

Empreendedor desde os tempos da universidade

Teraoka se tornou empreendedor já no último ano da faculdade, em 1999, como sócio e fundador da Prisma, empresa de tecnologia da informação voltada ao desenvolvimento de soluções móveis para o mercado corporativo em uma época em que praticamente não havia celulares. Durante um bom tempo, seu dia a dia foi dividido entre a vida de empreendedor e a de engenheiro em empresas como Siemens e Nec Brasil.

Insistência

Continuidade apesar das aparentes dificuldades O empreendedor conta que o início da empresa foi difícil. "Íamos falar com alguma universidade e acabávamos descobrindo que ela delegava a responsabilidade de criar o alumni a ex-alunos. Não tinham algo institucional", conta. Até que em 2006 ocorreu um encontro de ex-alunos da Unicamp. "Foi ai que surgiu um ambiente propício para a nossa plataforma", diz. Uma parceria com a universidade foi estabelecida.

Ambiente

Desejo de seguir os passos de empreendedores experientes

Na avaliação de Teraoka, a região de Campinas é um dos melhores ambientes do Brasil para se iniciar uma empresa tecnológica. "A região tem um histórico de praticamente três ou quatro gerações de empreendedores, tem universidades que são fontes de talentos e vem fomentando o empreendedorismo na graduação", diz. Para ele, tudo isso ajuda a criar um ambiente estimulante.