Notícia

Jornal da Manhã (Marília, SP) online

Uberabense ganha prêmio internacional

Publicado em 16 julho 2006

O matemático uberabense Jacob Palis, pesquisador do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), é um dos ganhadores da edição de 2006 do Prêmio Trieste de Ciência, concedido pela Academia de Ciências do Mundo em Desenvolvimento (Twas). Ele ganhou destaque nas páginas da revista FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).
A distinção, anteriormente chamada de Prêmio Twas, é concedida anualmente a pesquisadores de países em desenvolvimento como reconhecimento a contribuições em diversas áreas do conhecimento. A cada edição são escolhidas duas áreas. Este ano foram ciências médicas e matemáticas.
Ao lado de Palis, os outros ganhadores são: Chen Ding-Shinn (Faculdade de Medicina da Universidade Nacional de Taiwan), Rao Zihe (Universidade Tsinghua, China) e C.S. Seshadri (Instituto Chennai de Matemática, Índia). Os vencedores dividirão o prêmio de US$ 100 mil.
Nascido em Uberaba, em 1940, Palis fez graduação em engenharia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e mestrado e doutorado pela Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos. Desde 1971 é pesquisador do Impa, instituição vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) que dirigiu de 1993 a 2003.
Especialista em sistemas dinâmicos, é membro de academias de ciências de dez países, entre os quais Estados Unidos e França. É vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências. Entre outras distinções, recebeu a Comenda da Ordem do Mérito Científico, na categoria Grã-Cruz, e o título de Cavaleiro da Legião de Honra, da França. Foi membro do Conselho Deliberativo do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em vários períodos, o último deles encerrado em 2005.
Em junho, Palis recebeu da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) o Diploma de Reconhecimento por seu trabalho científico, pelo trabalho para o avanço da ciência e das políticas para ciência em especial no mundo em desenvolvimento.
O matemático é o sexto brasileiro a ser premiado pela Twas. Henrique Toma, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), ganhou em 1996. Mayana Zatz, do Centro de Estudos do Genoma Humano da USP, e Welington Celso de Melo, do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), no Rio de Janeiro, receberam o prêmio em 2003. Jorge Kalil, da Faculdade de Medicina da USP, ganhou em 2004, e Jerson Lima Silva, do Instituto de Bioquímica Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 2005.
A Twas é uma organização autônoma sediada em Trieste, na Itália. Fundada em 1983, tem como objetivo promover a capacitação e a excelência científica nos países em desenvolvimento.