Notícia

O Popular (Mogi Mirim, SP)

Trunfo para perda de peso

Publicado em 26 fevereiro 2021

Por Redação

Pesquisadores brasileiros e norte-americanos identificaram uma proteína secretada pelo tecido adiposo marrom que é capaz de se comunicar com o fígado e, assim, favorecer a perda de peso, além de melhorar o controle da glicose e dos lipídios em circulação. O achado abre caminho para novos tratamentos contra doenças crônicas ligadas ao metabolismo corporal, como obesidade e diabetes tipo 2.

A pesquisa é parte do pós-doutorado do educador físico Carlos Henrique Grossi Sponton, realizado com apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) na Universidade da Califórnia, em São Francisco, nos Estados Unidos. Ela representa um marco no conhecimento científico sobre a gordura marrom e sua importância para a saúde.

Por isso, foi capa da última edição do periódico Embo Reports. Carlos Sponton é docente do programa de pós-graduação em Biologia Funcional e Molecular do Instituto de Biologia da Unicamp (Universidade de Campinas) e pesquisador junto ao Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidades (OCRC) da Fapesp.

Em 2009, esse tipo de tecido adiposo, que é responsável pela produção de calor corporal em recém-nascidos humanos, foi também identificado em adultos. “Foi uma descoberta que atraiu muito interesse, pois, como ele é termogênico, isto é, gera calor, consome mais calorias”, comenta Sponton.

Ou seja, como aumentaria o gasto de energia, poderia facilitar a perda de peso. Mais recentemente, estudos mostraram que, assim como a gordura branca, que libera hormônios, o tecido adiposo marrom também libera moléculas com papel regulatório no organismo, para além da produção de calor.

A interferência é possível graças às batoquinas – fusão dos termos BAT (de brown adipose tissue) e citocinas. “São moléculas secretadas pelo tecido adiposo marrom que têm uma ação semelhante à dos hormônios, comunicando-se com outros órgãos”, aponta Sponton. Foram elas os objetos principais do seu trabalho, que contou com a participação de cientistas norte-americanos e japoneses.

Futuro

Se os resultados continuarem animadores, a expectativa é que a proteína possa tratar doenças em que o metabolismo lipídico, da glicose ou o peso estão alterados, como é o caso da síndrome metabólica, do diabetes tipo 2 ou da obesidade. “O estudo foi um primeiro passo, onde pudemos conhecer um pouco mais da função da proteína, agora vamos trazer para o contexto fisiológico, ou seja, discutir as possíveis aplicações em humanos”, diz Sponton.

A ideia não é fazer como nos estudos com animais, em que foi utilizada a engenharia genética para instruir o próprio corpo a fabricar a molécula, mas sim entregar a proteína já pronta para realizar suas funções. Assim, será possível controlar dose e quantidade. “A insulina, que também é uma proteína, se vale do mesmo raciocínio”, aponta Sponton.

Hoje a forma mais conhecida de ativar a gordura marrom é com a exposição ao frio. “Alguns estudos mostram que há agentes farmacológicos que atuam nos receptores beta-adrenérgicos e poderiam estimular esse tecido”, conta Sponton. Seu achado é mais uma peça no quebra-cabeça para compreender os efeitos da gordura marrom no organismo e como replicá-los.

As informações são da Agência Fapesp e da Unicamp.