Notícia

GVces - Centro de Estudos em Sustentabilidade

Tropa para o ambiente

Publicado em 19 março 2009

Por Danielle Castro

O Ministério Público (MP) Estadual instituiu neste ano um órgão especializado em proteção ambiental, o Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema). Com seis núcleos de atuação direta, sendo um deles em Ribeirão Preto, o setor deve identificar e punir atividades causadoras de degradação em as áreas consideradas prioritárias pelo projeto Biota, da Fundação de Auxílio à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Discutido desde setembro, o Gaema foi normatizado em janeiro e estabeleceu metas gerais e regionais. No núcleo de Ribeirão, que representará a Bacia Hidrográfica do Pardo, o foco deve ser a ocupação do solo pela cana, a falta de saneamento e a proteção de áreas de proteção permanentes (APPs).

No município, de forma específica, serão acompanhadas as reservas da Mata de Santa Tereza (Estação Ecológica Ribeirão Preto) e do Parque Municipal Morro do São Bento, além da qualidade água do Ribeirão Preto. Os promotores Marcelo Goulart, de Ribeirão, e Cláudio Morelli, de Santa Rosa do Viterbo, serão os responsáveis pelo Gaema da regional. Ontem, Goulart não quis falar sobre o grupo e disse apenas que haverá uma reunião na segunda para apresentação das diretrizes, que já estariam prontas, e que o trabalho não será feito por meio de parcerias com outras instituições, como a Polícia Militar Ambiental. “Só vou tornar isso público na semana que vem”, afirmou Goulart. Morelli não foi encontrado para comentar a questão.

Para o presidente do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comdema) de Ribeirão, José Carlos Nóbrega, o Gaema regulamentou as obrigações que já são exercidas pelo MP. “Não tivemos contato direto (com o Gaema), mas sabemos do andamento e vamos tentar estreitar o relacionamento, pois atuamos no mesmo local.”

Já o presidente da Associação Cultural e Ecológica Pau-Brasil, Manoel Ferreira, disse que o órgão irá beneficiar principalmente cidades menores. “Para Ribeirão, que já tem promotores do Meio Ambiente, vai mudar pouco, mas no Estado, em geral, vai ser muito bom.”

Evento debate o aquífero

O Projeto Guarani, que teve Ribeirão Preto como cidade piloto, será apresentado no 5º Fórum Mundial de Águas, que acontece em Istambul (Turquia) até domingo. Uma equipe do Ministério do Meio Ambiente (MMA) fará a palestra, que pode render parcerias para exportação do modelo ou para continuação do monitoramento do Guarani.

De acordo com Julio Tadeu Silva Kettelhut, diretor do Departamento de Revitalização de Bacias Hidrográficas do MMA e ex-coordenador nacional do projeto, que irá coordenar a exposição, o estudo do reservatório foi uma ação pioneira. “Será uma apresentação rápida sobre o que existia antes e o que veio a existir depois do projeto. A experiência do Guarani foi muito rica e é tida como exemplo para o mundo inteiro, porque teve uma cooperação muito intensa em nível técnico e político”, disse Kettelhut. (DC)

Projeto que já existe em RP é estendido para todo o Estado

O Estado anunciou que a partir de hoje o programa de educação ambiental Criança Ecológica, que já havia sido implantado na Capital e em Ribeirão Preto, será estendido para toda a rede de ensino. Ao todo, 30 mil crianças de 8 a 10 anos serão atendidas mensalmente pelo projeto, que abordará questões como aquecimento global, desenvolvimento sustentável, bacias hidrográficas, uso racional da água em espaços lúdicos e interativos.

O programa acontece em espaços criados dentro de unidades de conservação —são cinco na Capital e 29 no Interior. Em Ribeirão, as atividades acontecerão no Bosque Municipal Fábio Barreto, que fica no Parque Morro do São Bento.

Nos finais de semana, os locais serão abertos ao público. Os alunos partcipantes receberão o livro Criança Ecológica: Sou Dessa Turma. O material pedagógico pode ser baixado na internet pelo site: www.criancaecologica.sp.gov.br. (DC)